EXCLUSIVO: Entrevista com o artista marcial de fama internacional e ator de Hollywood, Marko Zaror. | Nocaute na Rede

EXCLUSIVO: Entrevista com o artista marcial de fama internacional e ator de Hollywood, Marko Zaror.

Artista marcial de longa data, ator de cinema do mundo Hollywood e ex lutador, o artista chileno Marko Zaror é o nosso entrevistado da semana.

Um dos grades nomes do cinema marcial da atualidade, artista marcial com mais de 30 anos de experiência em diferentes estilos de artes marciais e um dos atores mais sucedidos do Chile, Marko Zaror fez diversos papeis conhecidos no cinema de Hollywood, contracenas com grandes ícones como Scott Adkins nas produções hollywoodianas Undisputed III e Savage Dog, com o mexicano Danny Trejo, no filme do diretor Robert Rodriguez, Machete Kills, onde fez um papel em alusão a si mesmo, também um papel na produção do NetFlix aqui no Brasil, Marvel The Defenders, como o vilão Mandril, além de ter começado como duble de Dwayne “The Rock” Johnson. Na atualidade, Marko tem participado do programa de TV fechada, no canal History Channel (83 da NET), Homens e Armas com Danny Trejo, programa no qual recriam armas da historia da nossa civilização e botam a prova nos dias atuais, papel onde o ator testa as armas de verdade. Nessa entrevista especial do Nocaute na Rede, Marko falou conosco sobre seu começo nas artes marciais, trabalhos com grandes ícones do cinema, sobre seu trabalho no programa Homens e Armas, e por fim, projetos futuros. 

NR: Vamos começar com sua carreira marcial, você tem amplo conhecimento em Karate, Tae Kwon Do, Kickboxing, Judô e Ai Ki Do,  isso pode ser visto nas interpretações de seus filmes, então conte-nos um pouco sobre o seu começo nas artes marciais e também sobre os mestres que passaram pela sua vida.

Marko: Eu comecei no Karate quando era muito jovem. Minha mãe era faixa preta em Karate, ela me levou com ela quando eu mal estava andando. Eu comecei assim, mas eu realmente decidi fazer artes marciais quando vi o filme ‘Enter The Dragon’ com Bruce Lee. Ele tem sido minha grande inspiração durante toda a minha vida para treinar. Então comecei com Karate e depois fiz taekwondo, eu queria fazer Kung Fu por causa de Bruce Lee, cresci fazendo e tentando algo diferente, então sim, eu passei por estilos diferentes. Fiz um pouco de luta contra o Karatê, depois competi no Taekwondo no meu país. Eu treinei com a equipe nacional de Taekwondo. O Karate que fiz é de Okinawa. Não é como o Shotokan, é o Kenshinkan ( Shorin Ryu) de Okinawa. Eu tenho o Segundo Grau na faixa preta vindo de lá. Taekwondo lutei na seleção, fiz algumas competições no Chile e depois voltei para o Karate porque encontrei um bom mestre de Karate. Eu também fiz Kung Fu lá na China, eu tentei estilos diferentes de Kung Fu, nunca fui em um estilo apenas. Eu estava, tipo, experimentando estilos diferentes, e então comecei a fazer mais boxe e acrobacia. Comecei a aprender mais sobre treinamento de alto desempenho com pesos, nutrição e tudo mais. Eu também comecei a fazer pliometria e adicionando todos esses desempenhos esportivos ao meu treinamento de Artes Marciais, para desenvolver velocidade e potência. Foi uma jornada muito pessoal para tentar entender o corpo humano e como ele funciona e como posso superar limites. Eu era muito assim. Eu não gostava muito de estilos, era mais como um treinamento pessoal, uma jornada pessoal. Então, sim, passei por diferentes professores no Chile. Depois fui ao México e comecei a treinar kickboxing com o José Luiz Mosca. Eu também treinei com Roberto Perez, 4 vezes campeão mundial de Point Fighting. Eu tinha cerca de 18 anos na época, então tudo fazia parte da minha jornada pessoal de compreensão e de encontrar técnicas diferentes. Quando voltei para o Chile comecei a fazer mais MMA, Jiu Jitsu – na verdade não muito Jiu Jitsu mas Submission Wrestling, sem kimono. Eu estava tentando encontrar uma oportunidade para lutar, então eu estava treinando muito duro para lutar no cage, mas eu recebi uma chamada para um grande filme, então deixei de lado.

NR: Falando um pouco sobre o mundo do cinema, você tem participações em grandes filmes e produções, como no filme Undisputed III, Machete Kills e Marvel: The Defenders, então como é a experiência de trabalhar em grandes produções? Além disso, a preparação das cenas de luta é muito difícil, nos explique um pouco sobre ..

Marko: A experiência nesse segmento foi ótima. Comecei minha carreira no Chile fazendo meus próprios filmes, onde produzia, dirigia, atuava e dirigia as cenas de luta. Acho que comecei em Hollywood sendo duble do The Rock , no filme The Rundown, depois trabalhando com Andy Chen, que fazia parte do time de Jackie Chan em Hong Kong. Eu aprendi com ele e quando eu fui para a faculdade para fazer meus próprios filmes – eu produzi quatro filmes: Kiltro, Mirage Man, Mandrill e Redentor – foi quando eu pude aplicar tudo o que aprendi com Andy. Trabalhar na Undisputed foi uma oportunidade muito boa para eu continuar aprendendo esse trabalho. Leonel era um velho amigo meu, costumávamos treinar juntos em Los Angeles. Então eu recebi uma grande chamada por Machete Kills do diretor hollywoodiano e famoso internacionalmente, o premiado Robert Rodriguez, para fazer parte disso. Isso foi ótimo, sabe? Para receber um telefonema de um diretor enorme, eu era um grande fã de seu trabalho. Além disso, há o Marvel: The Defenders… Tudo o que tenho feito nos EUA é ótimo, uma ótima oportunidade para continuar aprendendo e crescendo. Eu trabalhei com Scott Adkins no Undisputed III e novamente no Savage Dog, então nos tornamos bons amigos, tem sido uma ótima experiência. Estou sempre aberto para continuar aprendendo e trabalhando. Basicamente a preparação da luta é muito complexa. A maneira de abordar uma cena de luta em um filme … Primeiro nós temos um ensaio com os artistas marciais: você tem que sentir a técnica que ele (o ator) é capaz de fazer. Se você está lutando com um ator, é uma abordagem totalmente diferente. Se você está lutando com um ator que realmente faz artes marciais e pode fazer suas próprias cenas de ação … Há algumas semanas de preparação, você tem uma coreografia e uma idéia da cena da luta. Então você filema a luta com diferentes ângulos de câmera, e é aí que fica complicado porque você quer cobrir a técnica de artes marciais para ângulos específicos e se você não é um artista marcial é difícil de entender. Então é por isso que existem muitos filmes que vemos em Hollywood que a luta não é bem filmada e é confusa. Ultimamente, vimos filmes de ação cada vez melhores como John Wick e todos esses filmes em que dublês e artistas marciais têm a oportunidade de dirigir as cenas de luta. É por isso que está melhorando agora, grandes filmes estão mostrando melhores cenas de ação das artes marciais. Isso é o que está acontecendo agora e isso é muito bom para o que nós gostamos de fazer, eles estão nos dando a chance de fazer parte de todo o processo: coreografar, lutar, e também propor ângulos diferentes e até mesmo estar na sala de espera . Foi assim que fiz meus filmes no Chile, fiz parte da montagem, da direção e da luta. Então você pode entregar um produto final consistente e mostrando artes marciais como gostaríamos de ver nos filmes. É diferente quando você está trabalhando em seus próprios filmes, então você trabalha em um grande filme onde você não tem essa oportunidade. É assim que funciona.

NR: Você era o dublê de Dwayne Johnson, que parece ser uma ótima experiência, trabalhar com um cara como The Rock, como foi fazer esse trabalho junto com ele?

Marko:  Trabalhar com The Rock foi basicamente como comecei minha carreira, The Rock é um cara muito legal, muito profissional, fizemos muito trabalho de ação e de lutas juntos, foi uma grande escola para mim trabalhar com essas pessoas de Hollywood, como Andy Chen, como The Rock, como Robert Rodriguez, como o Scott Adkins, é muito bom trabalhar com esse pessoal de Hollywood, porque voce está sempre apredendo muito com todos, é o maior ponto que um membro do segmento pode chegar, então sou totalmente agradecido e honrado de fazer parte desse pessoal. 

NR:  Falando um pouco sobre sua participação no programa do History Channel, Man At Arms, com Danny Trejo e o produtor Robert Rodriguez, como foi essa experiência para testar as armas históricas de nossa própria história? Você tem algum detalhe que você gostou mais? Confesso que vi todas as suas participações, e achei que você trabalhou muito bem com os movimentos, só tivemos um problema com as armas do sol e do vento, o que é previsível pela complexidade da arma e seus relatórios históricos que, talvez, nao foram utilizadas como armas comuns, conte-nos sobre essa experiência também.

Marko:  Trabalhar no programa Homens e Armas foi uma experiencia muito gratificante mas também diferente, fizemos a primeira seção ano passado e agora fizemos ainda melhor a segunda temporada,  que foi ainda melhor em alguns aspectos tecnicos, tentamos botar mais ação nas armas principais. sim sim, sobre o acidente, aquela arma você sabe, o pessoal da historia não tem certeza se ela foi usada mesmo, ela é muito complexa, tem pontas em todas as direções e isso não faz muito sentido quando temos que trabalhar em ação, pode ser perigoso em algumas movimentações, e em um movimento acabei me cortando um pouco… mas são coisas que acontece pela complexidade da arma em si essas armas do Sol e do Vento são muito complexas em todos os aspectos tecnicos e letais. No fim, a equipe é ótima, temos grandes produtores aqui, muitos convidados dessa parte da forja, estou muito empolgado para a segunda temporada. 

NR: Quaisquer planos para o futuro no cinema ou futuros projetos que você tenha em mente, além do Man At Arms?

Marko: Estou trabalhando para produzir meus próprios projetos, tenho feito alguns planos para shows próprios, mas no momento , ainda não tenho nada muito concreto, por fim, obrigado por ter me escolhido para entrevista, gostei bastante de falar sobre alguns pontos, vamos nos mantendo em contato, e com certeza teremos boas noticias para compartilhar.

Categorias
EntrevistasEspeciaisLutas

Jornalista - seguidor dos esportes de combate desde 2006 - Fã de Shogun e Mousasi.
    Sem Comentários

    Responder

    *

    *

    três × 2 =

    RELACIONADO POR