EXCLUSIVO: Entrevista com o especialista/instrutor em armas exóticas de corte, Da'Mon Stith. | Nocaute na Rede

EXCLUSIVO: Entrevista com o especialista/instrutor em armas exóticas de corte, Da’Mon Stith.

Um das artistas marciais do programa Homens e Armas com Danny Trejo, especialista em armas de corte e em artes marciais fora do padrão comum, Da'Mon Stith é o nosso entrevistado da semana.

Uma das faces que testam as armas do programa do History Channel, no qual recriam espadas e armas brancas da historia da nossa civilização, Homens e Armas com o icônico Danny Trejo, o artista marcial Da’Mon Stith se especializou em diversas vertentes marciais que são totalmente fora do padrão comum na nossa era atual, como o Tahteeb, o Zulu Stickfighting, a Kalenda Stickfighting, o Dambe boxing, o Kokowa wrestling, o Mani e o 52 Blocks, além de treinamentos extensivos com o Karate, no qual foi até Okinawa, e um vasto estudo sobre seu maior inspirador, Bruce Lee com sua arte marcial Jet Kune Do. Nos dias de hoje, Da’Mon tem uma escola de artes marciais nos Estados Unidos da America, a Guild of the Silent Sword, e também forja armamento em alta densidade, para resgatar o uso pratico de diversas armas exóticas e comuns de corte, usadas por diversas civilizações pelo mundo, na nossa época atual. Nessa entrevista exclusiva, Da’mon falou sobre o MMA da atualidade, um pouco sobre as grandes mentes Bruce Lee e Musashi Myamotoo, sobre sua participação no programa Homens e Armas, e claro, sobre as artes marciais africanas e asiáticas, englobando até a Capoeira. 

NR: Para começarmos aqui Da’Mon, quando você se interessou por artes marciais não tão comuns como o Tahteeb, o Zulu Stickfighting, o Kalenda Stickfighting, o Dambe boxe, o Kokowa wrestling, o Mani e o 52 Block?

Da’Mon: Quando eu era jovem, as artes marciais tinham um significado e uma linhagem muito específicas: os esportes de combate e as artes de luta da Ásia Oriental (China, Japão e Coréia). À medida que aprendi mais sobre a história dessas artes, vi como técnicas, estratégias, armas haviam sido emprestadas, dispersas e compartilhadas em todo o Leste Asiático e que havia outras artes de combate praticadas na Índia, Indonésia, Malásia, Tailândia e Filipinas. . Meu entendimento foi ainda mais despertado para o fato de que havia artes marciais da Europa que haviam desaparecido e que esportes de combate conhecidos, como: esgrima, boxe e luta livre, eram remanescentes dessas tradições mais antigas. Como jovem negro, eu procurava uma identidade no meio de um sistema muito racista. Um sistema que defendia a opinião de que não havia história, cultura ou civilizações na África. Isso tudo mudou quando eu vi a capoeira e soube da sua rica história na África. Na minha opinião, se foi desenvolvido no Brasil com base nas artes marciais africanas indígenas, então havia toda uma tradição escondida do mundo das artes marciais. Como resultado, comecei a pesquisar a história africana, a guerra e a cultura marcial. A imagem que surgiu foi uma das tradições muito ricas praticadas em toda a África e na Diáspora.

NR: Hoje em dia o MMA é muito evidente nas competições esportivas, o que você acha da situação atual do mundo da luta?

Da’mon: O MMA tomou o mundo pela tempestade, mostrando-nos as falhas de complacência e a necessidade de nos testarmos com pressão através de sparring, melhor condicionamento para executar sob estresse, e sermos capazes de nos adaptar a qualquer tipo de combate. Esta é uma verdade básica que temos visto ao longo da história e continua válida hoje. Sendo um guerreiro moderno, temos que ter uma compreensão dos diferentes aspectos do conflito. O MMA fez muito para sacudir o mundo, mas estas são velhas verdades que foram esquecidas.

NR: Ainda falando de MMA, com seu extenso conhecimento em artes marciais diferente dos comuns, seria possível incorporar técnicas diferenciadas, principalmente das artes que você estuda, a essa mistura de artes?

Da’Mon: Eu acredito que isso é possível em alguns casos, mas tudo depende do lutador e como eles se preparam. Nem todo mundo quer competir no MMA, mas se você vem de fundo tradicional e quer aplicar sua arte no ringue ou nas ruas, treine dessa maneira. A questão é como fazer isso e ficar enraizado na tradição. Está diluindo seu Aikido se você treinar boxe? Você ainda está praticando o Wing Chun se você estiver treinando cross-wrestling? No final, estilos nunca lutam apenas com pessoas.

NR: Como você, eu também sou muito adepto da filosofia e mente do grande samurai Musashi Miyamoto, o quanto essa filosofia é seguida por você e o quanto isso inspirou você ao longo desta jornada?

Da’Mon: A filosofia de Musashi foi meu primeiro despertar e me levou a minha carreira como artista marcial. Eu encontrei seu livro pela primeira vez em 1986, quando eu tinha treze anos, e reli muitas vezes durante a vida. Seu trabalho e vida foi fundamental para mim, porque como ele eu passei uma grande parte do meu treinamento foi auto-didata e em um mundo de linhagens, ele me ofereceu muito conforto, já que o maior espadachim em todo o Japão também foi em grande parte auto-didata. Mesmo que eu não treine nas artes japonesas, sua filosofia continua a me guiar até hoje. 

NR: Por inspiração em Bruce Lee, você aprendeu seu famoso estilo marcial Jet Kune Do, falando por mim, acho muito subestimado porque as pessoas esquecem que Bruce praticamente tinha um protótipo de MMA em suas mãos, e deixam isso de lado em competições de MMA por exemplo, o quanto você acha que o estilo dele poderia ser adaptado a esse tipo de luta e também nos contar como foi para você aprender a arte marcial do homem que você inspirou?

Da’Mon: Eu cresci nos anos 80 e todos queriam ser Bruce Lee. Suas contribuições para o mundo das artes marciais, esportes de combate, filosofia, treinamento esportivo e aptidão física são imensuráveis. Ele faleceu há mais de quarenta anos, mas ainda estamos muito interessados ​​em sua história e metodologia. Ele é justamente acreditado como o pai do MMA moderno. Suas estratégias e filosofia estão sendo usadas atualmente nesse ambiente, mesmo que não sejam reconhecidas pelo profissional. Isso não quer dizer que todos os lutadores de MMA estejam fazendo Jeet Kune Do, mas suas filosofias estão enraizadas em princípios universais. Lee defendeu a simplicidade e economia de movimento. MMA como praticado representa uma mistura muito simplificada. Através desse cadinho, se você quiser, vimos essas técnicas simples que funcionam com menos de 100% de resistência, mas, como indivíduos, colocamos esses movimentos e conceitos juntos em uma dança ou expressão pessoal única. Eu sinto assim o que Bruce estava tentando invocar. Devemos ter cuidado com a complacência…

NR: Por fim, qual tem sido a experiência de gravar com Danny Trejo e o diretor executivo Robert Rodriguez o programa de TV do History Channel, Man At Arms?

Da’Mon: Trabalhar com Danny Trejo foi um prazer! Ele é muito legal e descontraído e trata todos com grande respeito. Ele está sempre contando piadas e foi muito inclusivo. Embora eu não tenha muita interação com Robert Rodriguez, com o que eu tenho visto e com a interação de outros com o Sr. Rodriguez, ele é muito focado e profissional e exala um espírito de tranqüilidade no set. Foi realmente uma honra trabalhar com esses cavalheiros!

Conheça mais sobre o trabalho do artista marcial Da’Mon Stith visitando seu web site: http://www.silentsword.org/

 

Categorias
EntrevistasEspeciaisLutas

Jornalista - seguidor dos esportes de combate desde 2006 - Fã de Shogun e Mousasi.
    Sem Comentários

    Responder

    *

    *

    três × três =

    RELACIONADO POR