#SeEmpolgou: Pettis diz que voltará a ser melhor do mundo

#SeEmpolgou: Pettis diz que voltará a ser melhor do mundo

Ex-campeão peso leve já foi apontado como um dos melhores lutadores do planeta, mas hoje já não lembra nem de longe esses dias
Anthony 'Showtime' Pettis (Foto: Getty Images)

Durante muito tempo Anthony Pettis brilhou, conquistou títulos – WEC e UFC – e fazia lances tão espetaculares que ganhou o singelo apelido de ‘Showtime’.

No entanto, no UFC 185, Pettis defendeu o cinturão contra Rafael dos Anjos. O desafiante brasileiro não deu a menor chance e atropelou, tomando o cinturão do ‘Showtime’ e se tornando o novo campeão. 

Durante o combate, Dos Anjos pegou as costas do então campeão e mandou a seguinte frase: “The show is over”. Rafael teria ficado incomodado pela forma como foi tratado durante a promoção do evento, onde o clima parecia ser de que o campeão continuaria assim sendo. Fato é que o show acabou não sou naquele dia, mas desde então Pettis nunca mais foi o mesmo.

Esse teria sido o momento em que Rafael teria dito a Pettis que o show acabaria ali (Foto: Getty Images)

Na sequência, perdeu para Eddie Alvarez e Edson Barboza. Desceu para os penas, venceu Charles do Bronx, mas logo em seguida sofreu o primeiro nocaute da carreira, para Max Holloway, numa disputa de cinturão interino. Decidiu retornar aos leves falando que sentia muita dificuldade em alcançar o peso de 66 kg e na reestreia na divisão  venceu Jim Miller. Em seu último compromisso, foi novamente nocauteado, agora por Dustin Poirier. Somando tudo, são 5 derrotas nas últimas 7 lutas, números péssimos para qualquer lutador, mas principalmente para um campeão e que de quebra ja foi apelidado de ‘Showtime’.

Na última semana, Pettis declarou em entrevista ao ‘MMA Fighting’ que seu retorno ao topo é apenas questão de tempo e que voltará a ser melhor do mundo. Além disso, falou que a má fase é devido a problemas relacionados a mente, não técnicos. O ex-campeão declarou ainda que ficar perseguindo obsessivamente o cinturão, pensando sempre em algo muito a frente do momento em que ele está, são fatores que o tem atrapalhado. Na conclusão, o lutador falou que é um ex-campeão e que não está lá para ser porteiro da divisão ou servir de escada para outros.

Essa declaração do Pettis é sensata quando ele fala que essa obsessão pelo cinturão, esse pensamento e algo tão a frente, é algo que o tem atrapalhado. Sim, fato corretíssimo, isso realmente atrapalha. Ja dizia minha bisavó: “Nunca dê o passo maior que a perna”. A escada até o topo da divisão peso leve é alta, com Pettis hoje sendo apenas o décimo segundo colocado no ranking. Pettis tem moral na Organização e uma boa sequência de duas ou três  vitórias já o faria subir bastante, mas é preciso primeiro pensar nestes para depois pensar naqueles mais lá dentro do top 5. Ferguson x Khabib irão disputar o posto de campeão peso leve daqui uns dias, e entre esses dois nomes e Pettis hoje há um abismo, principalmente técnico. 

Agora, quando ele fala que seu problema é mais mental do que técnico e que breve retornará ao topo,aí não tem como, foi só na base do #SeEmpolgou mesmo. 

Melendez mostrou o “caminho das pedras”aos próximos desafiantes, o segredo para anular ‘showtime’, boxe na curta, pressão na grade e queda (Foto: Getty Images)

Quando Pettis se tornou campeão, sua primeira defesa foi contra ‘El Niño’ Gilbert Melendez. O desafiante fez um primeiro round muito bom, utilizando bastante o jogo de pressão e grappling. No segundo, num vacilo de Melendez nessa entrada de queda na grade, o campeão Pettis conseguiu aplicar uma guilhotina e vencer por finalização. No entanto, ali ficou um brecha, um aviso para os próximos desafiantes de que ali havia uma brecha, um boxe não muito afiado e uma defesa de quedas ruim. E foi exatamente nessa brecha que Rafael dos Anjos deu o “pulo do gato”. O brasileiro colocou pressão, encurtou o tempo todo evitando os chutes de Pettis que são sua arma mortal – Pettis praticamente nao conseguiu desferir chutes em Dos Anjos – e variando com as quedas. Em todos os rounds Rafael levou a luta para o solo e no minimo castigou no ground and pound. Eddie Alvarez e Dustin Poirier seguiram basicamente a mesma receita, sem a mesma qualidade e eficiência que Rafael, mas também obtiveram êxito e sairam vitoriosos do duelo.

Contra Holloway e Edson Barboza, outra dificuldade de Pettis foi apresentada, a movimentação. O ex-campeão é um exímio chutador, letal com essa arma. No entanto, é complicado você tentar a precisão contra caras que tem bom boxe e muito boa movimentação, como o caso desses dois oponentes, ainda mais quando não há a combinação entrando com socos – o boxe de Anthony é bem fraco – e terminando com os chutes. Os poucos chutes que Pettis conseguia acertar acabavam explodindo na guarda.

Com excelente preparo físico, boxe afiadíssimo e movimentação de alto nível, Holloway não deu chances e se tornou o primeiro lutador a nocautear Anthony Pettis na carreira (Foto: Getty Images)

Mesmo em suas vitórias contra Charles e Jim Miller, as exibições não foram convincentes, como o próprio Pettis citou na entrevista. Do Bronx pegou as costas nos três rounds e até fechou o cadeado, mas Pettis conseguia se virar e terminou finalizando o brasileiro. Miller já nem de longe lembra seus melhores dias, mas ainda assim conseguiu derrubar Pettis e acertar alguns golpes no ground and pound.

Sendo assim, basta analisar os combates de Pettis e perceber que o problema não é só mental, mas também técnico, e senão quiser se tornar “porteiro de divisão” ou “escada”, como afirmou no final da entrevista, é bom começar a fortalecer a mente e afiar essa parte deficiente no que diz respeito a técnica, ou do topo só restarão as lembranças do que já foi um show.

No dia 7 de abril, Anthony Pettis volta ao octógono no UFC 223, enfrentando Michael Chiesa. O evento trará Tony Ferguson x Khabib Nurmagomedov na luta principal, luta esta que definirá justamente o novo campeão da divisão peso leve.

Categorias
#SeEmpolgouKaio LimaLutasMMAOpinião

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

16 − 6 =

RELACIONADO POR