Análises, Resultados e Bônus – A Leitura do UFC on FOX 21: Maia vs. Condit

Jiu-jitsu brilhante de Demian Maia garante a maior vitória de sua carreira.
Foto: Reprodução
Foto: Reprodução

Foto: Reprodução

Neste sábado, o Ultimate Fighting Championship viajou até a Rogers Arena, casa do Vancouver Canucks (três vezes runner-up da Stanley Cup, o troféu da NHL), em Vancouver, British Columbia, Canadá, para realizar a vigésima primeira edição do UFC on FOX, que contou com grandes lutas.

 



Na luta principal da noite, Demian Maia, número três no ranking do UFC, enfrentou o ex-campeão interino do Ultimate e um dos strikers mais devastadores da divisão, Carlos Condit.

Carlos Condit começou a luta tentando fazer a manutenção de distância, para lutar de forma segura da média pra longa distância, foi fintando golpes e entrando com chutes altos e frontais, mas nada muito intenso ou agressivo. Demian Maia foi controlando o centro do octógono, andando para frente e espelhando a movimentação de Condit, a fim de evitar que ele voltasse a uma posição confortável; o brasileiro entrou com um single-leg profundo e desequilíbrio o norte-americano, estabilizando a posição imediatamente e começando o trabalho de passagem de guarda, até conseguir pegar as costas, uma de suas especialidades no chão. Não demorou muito até Maia controlar completamente Condit perto da grade e encaixar um mata-leão muito justo, que sufocou o The Natural Born Killer até fazê-lo bater em desistência.

Já disse isso no artigo de prévia da lua que fiz no PitacoEsportivo.com, Demian Maia tem o melhor jiu-jitsu aplicado no MMA na história do esporte, e isso fica mais e mais claro a cada apresentação dele dentro do octógono. Além disso, ele é o brasileiro com mais vitórias no UFC e, de longe, o melhor lutador brasileiro da história do peso meio-médio. É incrível ver um atleta com 38 anos mostrando uma técnica absurda dessa e competindo no mais alto nível do esporte mais complexo do mundo. Deem a chance de ele disputar o cinturão e tentar realizar seu maior sonho profissional, por favor.

 

Na co-luta principal, Anthony Pettis fez sua aguardada estreia no peso pena e enfrentou o brasileiro Charles do Bronx, numa das melhores lutas da noite.

Charles Oliveira entrou na luta decidido a quedar o adversário desde o segundo inicial, e foi o que ele tentou durante um bom até, duelando no clinch até conseguir. Depois de cair por cima, Charles conseguiu uma ótima posição, pegando as costas de Pettis, que reverteu logo em seguida e acabou ficando por cima. Isso se repetiu por várias vezes durante a luta, Charles quedava, pegava as costas e Pettis revertia, caindo por cima numa posição de vantagem. Na trocação, a vantagem foi quase sempre do Showtime, que aplicou chutes no corpo brutais, que fizeram o brasileiro sentir mais de uma vez, além de boas combinações com as mãos e contragolpes precisos. O desfecho foi brilhante, como é de costume para Anthony Pettis. Charles tentou sair da trocação entrando no clinch com uma queda, mas Pettis pegou o pescoço  do brasileiro e encaixou uma guilhotina linda, conseguindo a vitória no terceiro round.

Anthony Pettis vinha mal das pernas no peso leve, mas tem potencial para fazer barulho no peso pena. Showtime, que é ex-campeão peso leve do UFC e WEC, finalmente está lutando com atletas do seu tamanho e pode desenvolver mais suas skills dessa forma, ainda mais após essa solida apresentação contra um grappler de elite como Charles. Adoraria ver Anthony Pettis lutando com Max Hollaway, José Aldo, Conor McGregor, Frankie Edgar, Ricardo Lamas, Chad Mendes e vários outros, quem colocarem para enfrenta-lo, provavelmente me deixará animado.

 

No peso palha feminino, a norte-americana Paige VanZant enfrentou a australiana Bec Rawlings, outra luta bem interessante.

Bec Rawlings foi controlando o centro do cage e tentando colocar pressão na adversária, enquanto Paige VanZant foi usando bastante o trabalho de pernas com passadas laterais, enquanto tentava investidas e trabalhos de clinch, que não foram tão eficientes. Bec tentava combinações da média para a curta distância e foi mais significativa no primeiro round, mas a vantagem durou pouco. No segundo round, Paige encaixou uma espécie de flying double head kick, algo bem incomum no MMA, mandou a adversária e knockdown e terminou a luta utilizando seu ground and pound.

 Paige VanZant, com apenas 22 anos, vem mostrando talento e potencial. Ela tem que ser bem trabalhada pelo UFC, pois é um diamante bruto e daqui a uns cinco anos poderá se tornar uma atleta de altíssimo nível na categoria. Bec Rawlings também merece créditos pela performance, pois fez um belo primeiro round e já vinha mostrando bons desempenhos nas últimas lutas, mal posso esperar para vê-la de volta.

 

Na primeira luta do card preliminar, Joe Lauzon tentou vingar sua derrota numa revanche com o duríssimo Jim Miller, na divisão dos leves.

Enquanto a luta ficou em pé, vimos Joe Lauzon controlando o centro do octógono durante boa parte do tempo, pressionando e tentando golpear na curta distância, mas Jim Miller se mostrou bem na movimentação, nos contragolpes e respondendo com boas combinações. Lauzon conseguiu quedar e cair por cima em todos os rounds, trabalhando bem o controle posicional e utilizando socos e cotoveladas como ground and pound. O resultado da luta veio por decisão dividida, o que já era de se esperar, pois parece que os juízes laterais desse evento não eram dos melhores. Jim Miller conseguiu dois 29-28, enquanto Lauzon conseguiu um, fazendo o representante de New Jersey sair vitorioso. Eu marquei 29-28 para Lauzon, que me convenceu de que levou os últimos dois rounds, mas vou assistir a luta novamente amanhã, pois ainda tenho duvidas em relação ao resultado. A principio, vi vitória de Lauzon.

 

O card preliminar também contou com boas lutas, incluindo o nocaute de Sam Alvey em Kevin Casey. Esse e todos os outros resultados oficiais você encontra abaixo.

Demian Maia venceu Carlos Condit por finalização aos 1m52s do R1

Anthony Pettis venceu Charles do Bronx por finalização a 1m49s do R3

Paige VanZant venceu Bec Rawlings por nocaute aos 17s do R2

Jim Miller venceu Joe Lauzon por decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28)

Sam Alvey venceu Kevin Casey por nocaute técnico aos 4m56s do R2

Kyle Bochniak venceu Enrique Barzola por decisão dividida (29-28, 27-30 e 29-28)

Alessio Di Chirico venceu Garreth McLellan por decisão dividida (29-28, 28-29 e 29-28)

Felipe Silva venceu Shane Campbell por nocaute técnico a 1m13s do R1

Chad Laprise venceu Thibault Gouti por nocaute técnico a 1m36s do R1

Jeremy Kennedy venceu Alex Ricci por decisão unânime (30-27, 30-27 e 29-28)

 

Bônus: a serem anunciados.

 

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH



Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Bacharelando em Jornalismo, Analista de MMA e boxe no PitacoEsportivo.com e Nocaute na Rede. Contatos: [email protected] (via e-mail) e @kauemcd (via Twitter)
    Sem Comentários

    Responder

    *

    *

    9 + 12 =

    RELACIONADO POR