Brasileirada #1: Guilherme “Bomba” Vasconcelos, Estreia no UFC e Retorno ao MMA Nacional – Parte III

Continuando a série “Brasileirada #1″ com o atleta Guilherme Vasconcelos, onde falamos ontem sobre sua entrada no The Ultimate Fighter Brasil 3 e a amizade com Chael Sonnen, segue abaixo o...

Continuando a série “Brasileirada #1″ com o atleta Guilherme Vasconcelos, onde falamos ontem sobre sua entrada no The Ultimate Fighter Brasil 3 e a amizade com Chael Sonnen, segue abaixo o último capítulo com o lutador, que nos contou sobre as dificuldades de um lutador do MMA Nacional, inspiração e muito mais. Confira:

Estreia no UFC



Após o TUF Brasil 3 o atleta de BH teve uma chance de lutar no Ultimate, e ele enfrentou o americano Luke Zachrich, pelo UFC 175 – Weidmann vs Machida, no dia 5 de julho de 2014. O brasileiro conseguiu uma estreia no maior evento de MMA do mundo, mas não com vitória e acabou sendo derrotado pelo seu oponente na decisão unânime dos juízes.

Após esse combate, Bomba não teve nem a oportunidade de tentar mais uma luta e acabou tendo que deixar a organização.

Guilherme conseguiu entrar no UFC, porém acabou sendo derrotado Luke Zachrich (Foto:Reprodução)

Guilherme conseguiu entrar no UFC, porém acabou sendo derrotado Luke Zachrich (Foto:Reprodução)

Retornando ao MMA Nacional

Após sua demissão do UFC, Vasconcelos retornou ao Brasil e conseguiu somar mais duas vitórias em dois diferentes eventos. Um no Minas Combat 2 que ele nocauteou Cristiano Branko e o outro pelo Face to Face 10, no qual ele venceu Jorge Filho por nocaute técnico. Bomba hoje tem um cartel de cinco vitórias e duas derrotas.

Atleta Nacional/Inspiração/Dificuldade

Com todas as dificuldades de um atleta brasileiro de MMA, devido o esporte ainda não ser tão reconhecido, Bomba comentou sobre os atletas de terras tupiniquins que não tem muito espaço e acabam perdendo também para jogadores de futebol. Porém já vê que isso vem mudando devido ao crescimento das artes marciais mistas.

“A vida aqui no Brasil, não sendo do UFC, é bem complicada. Eu acho que a partir do ponto que o que o lutador entra no Ultimate as coisas já começam a mudar, é diferente você ganha mais respeito e além de mais dinheiro é claro. Bem, é difícil cara, o povo brasileiro marginaliza muito o esporte, não tratam os atletas como deveriam, acho que os únicos que recebem respeito das pessoas são os jogadores de futebol, mas isso já acho que vem mudando muito, porém ainda se vê muito.” Declarou, o atleta nacional.

Devido a muito trabalho árduo, Guilherme tira inspiração de todas as batalhas que já passou não só dentro da luta, mas como na vida. E quer dar orgulho a todas as pessoas que estão ao seu lado, pois elas o motivam.

“Minha inspiração são as dificuldades que passei para chegar até aqui. A inspiração é algo que me deixa motivado também, as pessoas que estão comigo eu quero dar orgulho a elas, e isso tudo me inspira.” Afirmou.

De todas as dificuldades que esse mineiro de BH já passou, ele destaca a agenda de lutas. Bomba tinha um calendário complicado, pois não sabia quando seria seu próximo combate, e destaca que esse seria a pior coisa para o atleta, mas relata que nos dias de hoje não vive mais desse problema.

“Acho que a minha pior dificuldade é quando não tinha um calendário certo de luta, eu estava treinando, mas não sabia quando ia surgir uma luta. Isso eu acho que é pior coisa para o atleta, isso dá um pouco desespero porque você não tem um calendário, uma data certa. Essa foi uma das coisas que me deixou bem abalado, mas graças a Deus, nos dias de hoje, eu já não tenho esse problema.”

Guilherme “Bomba” Vasconcelos é um dos destaques no MMA nacional no qual também passou por inúmeras dificuldades (Foto: Reprodução)

Guilherme “Bomba” Vasconcelos é um dos destaques no MMA nacional no qual também passou por inúmeras dificuldades (Foto: Reprodução)

E você, caro leitor, já parou para pensar em todas as batalhas que não só Guilherme “Bomba” Vasconcelos passou, mas outros atletas também viveram? Após toda história, todo lutador deve receber credibilidade não só pelo fato de estar ali fazendo um show, mas sim por todos os sacrifícios que passou para chegar aonde chegou.

Guilherme deixou um recado para todos os fãs e declarou que amarrar o duelo não é com ele.

“Bem podem esperar um Guilherme mais focado, sempre procurando a finalização em todas as lutas igual como foram minhas últimas lutas que foram dois nocautes técnicos, então pode esperar que eu vou jogar pra cima o tempo todo, para frente, para finalizar ou nocautear. Podem esperar sempre um combate muito movimentado porque esse negócio de amarrar a luta não é comigo. Para os meus fãs eu agradeço todo mundo que acompanha minha carreira, que me assiste e que torce por mim.” Finalizou, Guilherme “Bomba” Vasconcelos.

Confira todos os capítulos:

Capítulo I
Capítulo II

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH

Escrito por João Carlos



Categorias
EspeciaisLutasMMA InternacionalTUF BrasilUFC

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
Sem Comentários

Responder

*

*

12 − 11 =

RELACIONADO POR