Brasileirada #1: Guilherme “Bomba” Vasconcelos – Parte I

Você, fã de MMA, já parou para pensar quando um lutador sobe para o octógono, no tanto de sacrifício ele teve que passar para ele estar ali, protagonizando aquele...

Você, fã de MMA, já parou para pensar quando um lutador sobe para o octógono, no tanto de sacrifício ele teve que passar para ele estar ali, protagonizando aquele show? Entretanto você pensa “ah mas ele recebe muito bem para isso, pois ele está no UFC”. Sim, pode até ser, mas e nos eventos nacionais?

Muitos lutadores ainda não vivem somente da luta, e os brasileiros se incluem nessa lista, pois muitos batalham dia após dia. Treino, trabalho, busca de patrocínio, dieta, sangue, suor, distância da família, falta de dinheiro, isso tudo só para fazer o que ama, e dar um show para o público.



Por isso o Nocaute na Rede começa com essa série de matérias chamada “Brasileirada” para conhecer um pouco mais desses lutadores, sua história, como tudo começou, lutas marcantes, como é difícil a vida de um profissional de MMA no Brasil entre outros assuntos. O primeiro da lista é o ex-TUF Brasil 3, Guilherme Vasconcelos, conhecido como Bomba. E assim começa o Brasileirada #1.

Bomba iniciou sua carreira nas artes marciais com o Jiu-Jitsu aos 16 anos de idade (Foto: Reprodução)

Bomba iniciou sua carreira nas artes marciais com o Jiu-Jitsu aos 16 anos de idade (Foto: Reprodução)

Guilherme “Bomba” Vasconcelos – Início

Vindo de Belo Horizonte, Minas Gerais, participante do TUF Brasil 3, ex-UFC, amigo de Chael Sonnen, esse é Guilherme “Bomba” Vasconcelos. Com um cartel no MMA de cinco lutas e duas derrotas, o brasileiro em todos os triunfos não deixou a luta ir para as papeladas dos juízes.

O brasileiro iniciou sua carreira nas artes marciais cedo, quando tinha 16 anos, ele começou a treinar Jiu-Jitsu no começo de 2003. Guilherme focou muito na arte suave, tanto que no segundo mês já estava competindo. Bomba sempre quis lutar MMA, porém acabou estreando somente em 2010 – após conquistar sua faixa preta de BJJ – quando morava nos Estados Unidos, devido a um mestre que o aconselhou a focar somente na arte que ele iniciou.

“Eu treino Jiu-Jitsu desde os 16 anos de idade. Comecei no fim 2002, e com dois meses treinando eu já comecei a competir. Eu entrei no MMA em 2010 quando morava nos EUA e tinha acabado de pegar minha faixa preta de Jiu-Jitsu e eu sempre quis lutar MMA, porém escutei um professor na época que falou para eu focar mais na arte suave e foi o que eu fiz. A minha primeira experiência com o treino nas artes marciais mistas foi em 2006, mas acabou que eu fiquei de estrear, mas não estreei. Só iniciei no MMA em 2010 nos EUA mesmo, num tempo em que morei lá por dois anos. Foi muito natural a minha ida para o MMA, pois sempre quis competir no esporte.” Declarou.

Entrando no mundo do MMA

No dia 10 de Julho de 2010, Guilherme fez sua então esperada estreia no MMA. Ele que ainda não era profissional, acabou lutando pela primeira vez como amador pelo evento americano, RCFP – Red Canvas 1. Ele derrotou Michael Kreple, por finalização, no segundo round. Vasconcelos estreou com o pé direito no MMA, mas ele não parou por aí.

Apesar da derrota, Guilherme acredita que sua luta contra Acácio foi a melhor da carreira (Foto: Alan Oliveira/sherdog.com)

Apesar da derrota, Guilherme acredita que sua luta contra Acácio foi a melhor da carreira (Foto: Alan Oliveira/sherdog.com)

Em seu primeiro combate como profissional, Bomba, enfrentou um cara experiente nas artes marciais mistas. Ele era Wendell “Negão” Oliveira (hoje atleta do UFC), que na época tinha o cartel de 17 vitórias e sete derrotas. O duelo ocorreu no dia 27 de Julho de 2012, pelo WOCS 20. Guilherme era tido, claramente, como azarão, entretanto mostrou ser um lutador diferenciado já que conseguiu finalizar seu adversário no segundo round de luta, com um mata-leão.

Em menos de um mês, Guilherme já voltou à ativa pelo Shooto Brasil 33 – BOPE 2, esse que é um dos maiores eventos nacionais. Ele encarou outra “pedreira” que era Daniel Acácio, mais um lutador muito tarimbado nas artes marciais mistas. Porém, dessa vez, Bomba não foi vitorioso, acabou sendo derrotado na decisão unânime dos juízes.

Embora tenha acumulado o primeiro revés da carreira, Bomba considera esse duelo como o melhor de sua carreira.

“Vai ser até engraçado essa resposta, porque acho que a minha melhor luta foi inclusive uma derrota contra o Daniel Acácio no Shooto Bope. Mas naquela luta eu vi que eu era realmente um lutador de MMA, pois aos dois minutos eu me cansei muito no combate e foi uma guerra de 15 minutos. E ali eu mostrei meu coração mesmo, e eu provei não só para as pessoas, mas para mim que eu era um lutador de MMA”

Aguardem o próximo capítulo, ainda com o lutador Guilherme Vasconcelos, onde abordamos sobre o TUF Brasil 3 e Chael Sonnen.

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH

Escrito por João Carlos Cavalcanti



Categorias
EntrevistasEspeciaisLutasMMA InternacionalUFC

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
2 Comentários nesta publicação.
  • Brasileirada #1: Guilherme “Bomba” Vasconcelos, Estreia no UFC e Retorno ao MMA Nacional – Parte III | Nocaute na Rede
    28 março 2015 at 12:00
    Responder

    […] Capítulo I Capítulo II […]

  • Brasileirada #1: Guilherme “Bomba” Vasconcelos, Caminhando para o TUF Brasil 3 – Parte II | Nocaute na Rede
    27 março 2015 at 11:51
    Responder

    […] Continuando a série “Brasileirada #1″ com o atleta Guilherme Vasconcelos, onde falamos ontem sobre as dificuldades de um lutador em entrar para o mundo das lutas e sua entrada para o mundo do MMA, clique aqui para ler o primeiro capítulo. […]

  • Responder

    *

    *

    dezenove − 3 =

    RELACIONADO POR