Chute Boxe Diego Lima: O celeiro de ouro na capital paulista

Academia mais vitoriosa de São Paulo mostra os talento que trouxe para o mundo da luta

Em um processo de renovação no MMA nacional, lendas como Shogun Rua, Anderson Silva e Lyoto Machida estão em final de carreira. Conseguintemente há uma queda de performance nos últimos anos. A equipe de Diego Lima busca retomar a glória do Brasil no cenário nacional e internacional. A academia apresenta uma filosofia diferenciada, a experiência e versatilidade dos treinadores e atletas, como “Dudu”, Flavio Álvaro e Jorge Patino Macaco traz o espirito antigo da arte marcial, que é importante no cenário atual.

A Chute Boxe é a academia paulista que possui mais atletas no UFC, nomes como Mayra Sheetara, Pepi Laureano e Charles Do Broxs não souberam o que é a derrota no ano de 2018, são cinco triunfos e quatro deles por finalização. Vale ressaltar que a Chute Boxe foi a equipe que mais cedeu lutadores para o Contenders Series Brazil. De acordo com o jornalista Eduardo Gambier, a academia tem média de 77% de vitória nos últimos três anos.

Diego Lima iniciou na arte marcial com 14 anos, depois da ida do mestre Luís Azeredo para Coritiba, o líder da Chute Boxe assumiu algumas aulas. Em seguida ocorreu a evolução de atleta para treinador. O diferencial de Diego é a compaixão e transparência diante de seus atletas, um caso raro no esporte. No bate papo com o jornalista Eduardo Gambier, o treinador contou um pouco mais sobre a equipe e sua relação com os atletas

– A sintonia daqui é devido ao respeito e lealdade. Não tenho contrato com ninguém, porque acredito que quem não está feliz, que saia. Daqui já foram sete para o UFC, quem está comigo tem que se sentir bem. O importante para o sucesso é a felicidade e a união da Chute Boxe se deve a isso. Dou aula aqui há 18 anos. Meu sonho é ver essa ‘’molecada’’ no maior evento do mundo. Tentei buscar o que tem de melhor, Flavio no MMA, Gaia no jiu jitsu, Barboza também. Gustavo Gabriel, Brendo e Daniel já são realidade, só esperando a oportunidade certa.

As promessas que surgiram nos últimos quatro anos são de nível altíssimo, cada atleta com sua personalidade e estilo de próprio. Por exemplo, Alan “puro osso”, o atleta de 27 anos possui um QI de luta altíssimo, com ótimas quedas e finalizações o atleta da Chute boxe Diego Lima se destaca em cenário nacional e internacional, já que fez a luta principal do Contenders Series, em que perdeu por decisão dividida. Em 17 vitórias, “puro osso” finalizou em 12 ocasiões.

Felipe Efrain: com apenas 25 anos Felipe já conseguiu se firmar no Brave, lutou contra Stephen Loman pelo cinturão dos galos, acabou sendo derrotado por decisão, todavia o embate foi marcado por três rounds a dois, mais conhecido como 48-47. Em 13 vitórias Felipe nocauteou em 8 combates. O estilo de Efrain é simples, com calma e precisão ele detona a movimentação e distância dos adversários, sabe muito bem utilizar a explosão de golpes e controlar o cardio.

 

Daniel Willicat: invicto na carreira, com apenas 23 anos, possui o verdadeiro estilo da Chute Boxe, extremamente rápido e agressivo com joelhadas e chutes giratórios, ágil e preciso em suas combinações, deve ser o atleta mais próximo do UFC, tem duelo fechado com o ACA para 26 de janeiro, seu adversário é Murad Kalamov. Na conversa com Eduardo Gambier, revelou o que espera de sua carreira e equipe.

– A trocação é o que me vende! Graças a Deus eu estou na Chute boxe, tive muita evolução nos últimos três ano, agradeço o Lima por abrir as portas e dar a honra de treinar com lutadores como Thomas, Sertanejo, Felipe Efrain e Charles. Vou lutar na Rússia agora, o russo vai querer me botar para baixo, mas não vai encontrar nada. Gaia está me dando vários toques no chão, to pronto. Gosto muito de chutar, sou versátil, isso diferencia os grandes campeões, exemplo é TJ, troca sempre de base e mescla os golpes, Max também. Eu sonho com UFC, quando vier estarei pronto.

João Sorriso: Atleta de 25 anos, possui duas vitórias e nenhuma derrota, faixa roxa de jiu jitsu apresenta um bom nível no solo e técnico na luta em pé, competindo na categoria meios médios, sorriso tem golpes duríssimos combina muito bem o boxe com os joelhos e fará seu terceiro combate no SFT 9.

-vou lutar contra o Edson Junior, lutador bom na luta em pé, comecei ano passado no profissional, mas treino desde os 15 anos. Conheci a Chute Boxe pelo Júlio Rodrigues e desde então só tenho a agradecer o Diego e todo pessoal da Chute Boxe, espero trazer mais uma vitória ao time. Me espelho muito no Brendo, sei por tudo que passou, ele é um vencedor nato. Daniel também, ele tem coração de leão, isso é de se admirar.

Willian Cilli: Atleta de Ubatuba possui 14 vitorias no MMA, sendo 11 delas por finalização. O faixa marrom de Jiu jitsu surpreende jogando por baixo, onde consegue aplicar as finalizações e raspagens. Com 31 anos Willian busca triunfar no cenário nacional, seu próximo confronto é no Batalha MMA.

-Já estou aqui a sete anos, me sinto em casa, sai de Ubatuba em busca do meu sonho. Venho do mauy thai, mas mando bem no chão. Estratégia é ficar em pé e descer a mão nele, se algo mudar na luta eu vou finalizar. Sonho em estar no evento gigantesco, de preferência o UFC.

 Pepi Laureano: O argentino de 25 anos teve sua estreia no UFC Argentina, está a pouco tempo na Chute Boxe, mas dá para perceber que ele possui o espirito da academia. Com muito poder de nocaute e movimentação o “Hermano” nocauteou em cinco oportunidades. Após a vitória no UFC Pepi busca se firmar no maior evento do mundo.

– Cheguei aqui em outubro de 2018, com pouca oportunidade em meu pais, decidi vir para cá. Sempre ouvi falar da Chute Boxe. E hoje posso treinar com lutadores como Felipe Sertanejo e Charles Oliveira. Chegar aqui e em pouco tempo e entrar no UFC foi um sonho para mim.

Gustavo Gabriel: Simplesmente um diamante bruto, que deve ser lapidado. Com Apenas 24 anos Gustavo tem 13 vitórias, 5 por nocaute e 6 por finalização, esteve na luta principal do Contenders Series, após estar vencendo o combate contra Rogério Botorim, acabou perdendo por finalização. Nada que deve abalar a joia da Chute Boxe, já que procura continuar a carreira e reconquistar outra chance. Para um peso mosca, G.G possui velocidade e força acima da média e seu jiu jitsu é fenomenal para alguém que está na faixa marrom.

-Me sinto em casa aqui, quando eu cheguei tive uma recepção espetacular, então não tive problema a me adaptar. Minha primeira derrota não é algo que me abala, a derrota vai me ajudar a dar passos mais largos. Não tem campeão que nunca sentiu o gosto da derrota.

Brendo Bispo: O atleta do Maranhão teve o início nas artes marciais com a capoeira. Com uma força fora do comum, “The Monster” imprime seu ritmo no combate, faz ótimo uso do boxe e pendulo. Brendo luta no Future FC no começo de ano, com o objetivo de conquistar sua vaga no UFC. Atleta humilde e educado, nem transparece ser lutador, mas quando fecha o octógono muda sua feição, o mais importante é a gratidão que demostra tem por Diego Lima.

– Depois da capoeira, fui para o jiu jitsu, comecei a acompanhar o Charles, e então decidi que gostaria de ser atleta profissional. Depois de cinco meses de jiu, fui lutar em um evento na última hora e finalizei com guilhotina. Tenho fé que chegarei no UFC, cheguei na Chute Boxe para buscar esse sonho. Devo muita coisa ao Diego Lima, vim para São Paulo com ombro lesionado, sem me conhecer me levou ao médico e me deu moradia, não fez somente comigo, isso me deixa mais feliz ainda. Abre as portas para todos.

 

Nitidamente a uma conexão entre Mestre e alunos, o clima da academia é diferente. Havia um  garoto, chamado Gustavo Henrique, deve ter treinado no mesmo dia, mas fez questão de presenciar e anotar o treino realizado por Diego Lima. Essa é a mensagem que a Chute Boxe passa, o respeito da arte marcial e de seus companheiros. O sucesso vem com a felicidade do ambiente que frequenta-se, isso faz o atleta se doar para o companheiro e para a sua carreira.



Categorias
Lutas
Sem Comentários

Responder

*

*

2 × um =

RELACIONADO POR