Crítica do Filme “Mais Forte que o Mundo”

O filme ‘Mais Forte Que o Mundo’ estreou nos cinemas brasileiros contando a história de um dos maiores lutadores de MMA do nosso país, José Aldo. O filme não chamou...

O filme ‘Mais Forte Que o Mundo’ estreou nos cinemas brasileiros contando a história de um dos maiores lutadores de MMA do nosso país, José Aldo. O filme não chamou atenção apenas dos fãs de Aldo ou dos aficionados pelos esportes de combate, mas também obteve reconhecimento da crítica especializada em cinema, que o colocou entre os melhores filmes brasileiros lançados nos últimos tempos.

cartaz-mais-forte-que-o-mundo

Foto: Divulgação

 



Hoje, o Nocaute na Rede traz uma resenha crítica deste grande filme, escrita em 16/06, por Juliane Krainski, redatora do portal especializado em cinema, Café Com Filme. Confira:

Não é de hoje que o cinema brasileiro superou o estigma da baixa qualidade e vem nos presenteando com belíssimas produções. É o caso de Mais Forte que o Mundo – A História de José Aldo, filme dirigido por  Afonso Poyart que esteia hoje (16) em território nacional.

O longa conta a vida do lutador de MMA, desde a infância pobre na periferia de Manaus até chegar ao Rio de Janeiro e se tornar um grande atleta. Com muitos elementos indispensáveis para se obter um bom drama, o filme mostra como o garoto cheio de traumas venceu o histórico de violência doméstica para se tornar um campeão mundial.

José Aldo (José Loreto) realmente teve uma vida que rende bem um enredo de cinema, sem que seja necessário muita invenção. Sua história com o pai alcoólatra e abusivo, algumas vezes vilão outras vezes amigo, é um prato cheio de grandes reflexões sobre como as pessoas que nos amam e incentivam também podem ser as que mais nos agridem e ferem. A história em si não é muito diferente do que estamos acostumados a ver no dia a dia de muitos brasileiros e cumpre bem a lista de itens de uma película que vai cair nas graças do povo: tem drama, ação, romance e superação, tudo isso em grande quantidade.

mais-forte-que-o-mundo

Foto: Café Com Filme

Demorou mas chegou

A ideia para o filme partiu da produtora Paris Filmes, que desejava aproveitar a evidência que o MMA ganhou nos últimos anos com a boa safra de atletas brasileiros para trazer o tema à tona. O cineasta então foi buscar no Google as informações de que precisava, pois desconhecia o universo do esporte. Foi quando se deparou com o nome de José Aldo e encantou-se com sua história.

A película foi anunciada em 2011, mas devido a conflitos de agenda do diretor que mantinha outros grandes projetos em paralelo e várias pausas na produção, só foi finalizada agora. Essa demora no andamento do processo fez com que o elenco sofresse diversas  alterações até chegar à configuração final. Marcelo Rubens Paiva também foi chamado para ajudar a agilizar o roteiro, que é assinado em conjunto com o próprio diretor.

Violência só Gera Violência

Se a história já é abundante em possibilidades, a forma como ela é contada é o ponto alto do filme. As cenas de luta são cheias de ação e ricas em detalhes, prendem a atenção e nos fazem sentir dentro do octógono. O roteiro e  a edição conduzidos de forma brilhante e fazem tudo sair um pouco do caminho óbvio, criando momentos de  tensão e expectativa, mas equilibrando com pitadas de comicidade. Isso porque embora as imagens das lutas sejam bem feitas e envolvam até mesmo quem não é fã do esporte  o foco é mantido muito mais na vida pessoal do lutador do que na carreira. É na relação com seu pai que se dão os combates mais violentos.

José Loreto visivelmente despendeu sangue e suor ao mergulhar de cabeça no papel e o resultado é um personagem muito bem construído, convincente. Embora seja retratado como um herói vencedor, fica evidente o descontrole emocional do lutador e como ele transfere para suas relações, inclusive com a esposa, o exemplo de violência que recebeu do pai. Esse é também um aspecto muito positivo  ao passo que o filme se mantém na realidade dos fatos e não tenta romantizar ou amenizar o clima sombrio tanto do esporte quanto da personalidade do protagonista.

Seja pela beleza estética e técnica do filme, pelo elenco experiente e bem selecionado, pelo exemplo de superação emocionante ou até mesmo pelos momentos de comédia que estão garantidos, vale muito a pena ver no cinema e prestigiar as bilheterias nacionais.

Resenha: Juliane Krainski
Portal: Café Com Filme



Categorias
EspeciaisOpinião
Sem Comentários

Responder

*

*

5 × 5 =

RELACIONADO POR