Em mais uma defesa de título, Dominick Cruz busca celebrar ano perfeito

Campeão peso galo do UFC vai para sua terceira luta no ano de 2016, que teve como destaque a reconquista do cinturão e fim de trilogia com seu maior rival

Em um ano repleto de grandes superações no MMA, talvez nenhuma delas seja maior do que a do próprio campeão do peso galo do UFC, Dominick Cruz. Escalado para enfrentar Cody Garbrandt, no UFC 207, o norte-americano, independente do resultado, fechará o ano com uma grande conquista, a superação de uma longa batalha que quase o levou a se aposentar precocemente do MMA.

Lutador de 31 anos, “The Dominator”, como é conhecido, começou sua vitoriosa carreira no ano de 2005, na categoria dos penas. Após conquistar várias vitórias seguidas, estreou no extinto WEC e já em sua primeira luta a chance de conquistar o cinturão, na categoria dos penas, o adversário era nada mais, nada menos, do que seu maior rival na carreira, Uriah Faber. Cruz veio a sofrer seu primeiro revés (e único na carreira) ao ser finalizado nos poucos minutos de luta, no primeiro round,  por uma “guilhotina”. Após essa derrota, fez só mais uma luta nessa divisão e desceu de categoria, a do peso galo. A partir daí, jamais perdeu nessa categoria.

Uriah Faber e Dominick Cruz (Foto: Sherdog)

Uriah Faber e Dominick Cruz (Foto: Sherdog)

Conquistou seu cinturão no WEC 47, ao derrotar Brian Bowles por nocaute técnico no segundo round. Assim, quando o UFC incorporou o WEC, Dominick Cruz entrou no evento já como campeão dos galos e, por ironia do destino, fez sua primeira defesa título (nos galos) contra o então e único lutador que o venceu em sua carreira, Uriah Faber. Dessa vez, com vitória do “The Dominator” em uma emocionante luta que foi decidida nas mãos dos juízes, onde foi declarado vencedor por decisão unânime.

 

Análise técnica do seu perfil de luta

Dominick Cruz tem base no Boxe, Kickboxing e Wrestling.  A união dessas três modalidades fez Dominick Cruz criar uma forma peculiar e eficiente de luta. No Boxe, inspirou-se em Muhamed Ali ao trazer para o MMA uma forma única de jogo de pernas (Footwork), de forma a aplicar os mais variados socos (jabs, diretos, uppers e cruzados) e chutes na movimentação e também de sair sem ser contra golpeado. É um lutador característico de lutar quase todo o tempo de guarda baixa, de modo a se garantir de suas excelentes esquivas, onde mesmo tendo a sua cabeça “exposta” dificilmente é acertado, sendo ainda que em 22 lutas nunca perdeu por nocaute.

Dominick Cruz esquiva de ataque do Dillashaw (Foto: Reprodução/ Bloody Elbow)

Dominick Cruz esquiva de ataque do Dillashaw (Foto: Reprodução/ Bloody Elbow)

Além de um arsenal completo na parte em pé, Cruz é também um excelente grappling. Ainda usando o footwork, consegue encurtar com uma facilidade jamais vista e levar seus adversários ao chão e trabalhar no Ground and Pound. Quando encurta seu oponente nas grades, busca trabalhar o Dirty boxing e joelhadas. Por sempre manter domínio em cima de seus adversários, justifica-se ter o apelido de “The Dominator” (O Dominador).

Lesões e perda do cinturão

Com quatro defesas de título na categoria peso galo, sendo duas defesas no UFC, Dominick Cruz foi escolhido para ser treinador no TUF contra o seu maior rival, Uriah Faber. O embate entre eles fecharia uma trilogia que começou no extinto WEC. Porém, após a participação do TUF, Cruz precisou enfrentar o seu pior adversário, as lesões.

“The Dominator” teve, em maio de 2012, um rompimento no ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, o que deixaria um bom tempo fora das lutas. Tempo depois, por várias sessões de fisioterapia, encontrava-se bem avançado na recuperação quando voltou a ter a mesma lesão e precisou fazer nova cirurgia, onde precisaria de mais um ano de recuperação.

Em fevereiro de 2014, esperava-se pela sua volta e defender seu cinturão linear contra o então campeão interino da categoria, Renan Barão, mas uma nova lesão, dessa vez na virilha, o tirou da luta e, consequentemente, o título.

O tempo em que ficou parado chegou ao ponto de quase fazer com que um dos maiores lutadores da categoria peso galo e também do UFC a se aposentar precocemente. No entanto, recuperado das lesões, em sua volta magistral, nocauteou o japonês Takeya Mizugaki no primeiro minuto de luta do primeiro round. Era uma grande vitória não só pra cima do japonês como também em cima das adversidades que teve que enfrentar por quase três anos parados.

A retomada de um título que nunca havia perdido

Marcado o duelo contra Tj Dillashaw (campeão dos galos naquele ano), que seria sua volta para recuperar o cinturão que nunca havia perdido por ninguém no UFC, volta a ter a mesma lesão que rompeu seu ligamento do joelho esquerdo, só que dessa vez no joelho direito.

Precisou ficar afastado por mais de um ano, porém voltou em janeiro de 2016 contra o ainda campeão TJ Dillashaw. Dominick Cruz, após uma longa batalha de cinco rounds, demonstrando não sentir o tempo parado, consegue recuperar seu cinturão na decisão dividida dos juízes laterais.

Mostrando estar totalmente recuperado das lesões, sem ter nenhum contratempo, enfrentou mais uma vez seu maior rival, Uriah Faber, no UFC 199. Assim como foi em sua primeira defesa de título na divisão dos galos no UFC, Cruz vence Faber na decisão unânime dos juízes. Daria fim aí a trilogia com duas vitórias do “The Dominator” contra uma do “California Kids”.

(Foto: Reprodução/ UOL)

Dominick Cruz retoma seu cinturão (Foto: Reprodução/ UOL)

Nesta sexta-feira, enfrentará o invicto Cody Garbrandt, no UFC 207. Dominick Cruz é bastante favorito nas casas de apostas, mas uma vitória do desafiante não deverá constar como um “zebra”, uma vez que “No Love” deve se considerar uma das lutas mais duras da carreira de “The Dominator”, já que seu adversário vem faminto em busca do título.

 

UFC 207

30 de dezembro, T-Mobile Arena, Las Vegas, Nevada – EUA.

Lutas deste card:

Peso Galo Feminino: Amanda Nunes x Ronda Rousey (Disputa de Cinturão)

Peso Galo: Dominick Cruz x Cody Garbrandt (Disputa de Cinturão)

Peso Galo: TJ Dillashaw x John Lineker

Peso Meio-Médio: Johny Hendricks x Neil Magny

Peso Meio-Médio: Dong Hyun Kim x Tarec Saffiedine

Peso Meio-Médio: Mike Pyle x Alex Garcia

Peso Mosca: Louis Smolka x Ray Borg

Peso Médio: Antonio Carlos Jr. x Marvin Vettori

Peso Meio-Médio: Brandon Thatch x Niko Price

Peso Meio-Médio: Alex Olivera x Tim Means

*Fabrício “Vai Cavalo” Werdum era esperado para lutar neste card contra Cain Velasquez, porém este se lesionou e por questões internas não teve adversário substituto definido.

* Jéssica “Bate Estaca” Andrade era esperada para lutar neste card, mas por conta de lutadoras não aceitarem esse desafio, ela teve que ser retirada do card.



Categorias
LutasUFC
Sem Comentários

Responder

*

*

1 × 5 =

RELACIONADO POR