Entrevista: Bruno Bastos

Faixa preta multicampeão de BJJ, Bruno Bastos fala do inicio na arte suave, Nova União, a relação entre tatame e família e a boa fase de sua equipe fora do Brasil. Você...

Faixa preta multicampeão de BJJ, Bruno Bastos fala do inicio na arte suave, Nova União, a relação entre tatame e família e a boa fase de sua equipe fora do Brasil.

Você é formado pelo faixa-preta Wendell Alexander, um dos fundadores da Nova União. Como foi o seu primeiro contato com o Jiu-Jítsu no tatame do Mello Tênis Clube?

Na verdade, eu não comecei com o Professor Wendell Alexander. Iniciei no Jiu-Jítsu com o Professor Neury Gomes Jr, na Equipe Art Livre, em 1990, com 10 anos de idade. Treinei com ele até o final de 1991, quando meus pais decidiram que eu treinaria com o Professor Ailson Brites, o “Jucão”. Treinei com o Jucão durante o ano de 1992, na Academia Art & Mania, defendendo o Clube Jucão. Depois, eu e meu irmao nos tornamos alunos do Professor Wendell. Nós já éramos campeões na grande maioria dos campeonatos, mas o Dell realmente mudou nossa mentalidade. Foi uma química muito boa. Começamos lá, no Mello TC, no inicio de 1993. Treinamos com ele até a mudança Wendell pra Campos. Léo Santos começou a dar aulas junto com o Marcelinho Pereira e treinamos com eles, sendo somente o Léo depois de um tempo. Porem quem nos graduava era o Dell. Aprendi muito também com Rodrigo “Feijão” e Vitor “Shaolin”. São caras que me ajudaram muito na minha fase adulta de competição. Hoje, tenho muito contato com Gustavo Dantas, Shaolin, Robinho e Marcelinho Pereira, por estarmos aqui na America. Mesmo os alunos do Gustavo ainda representem a Nova União, ainda treinamos todos juntos sempre que possível.

(Foto: Arquivo Pessoal)

(Foto: Arquivo Pessoal)

Uma equipe com Chico Melo, Marola, Leandro Nyza, Leo Santos e outros talentos que saíram daquele tatame do MTC, como era o treinamento e a rotina de vocês?  

Tínhamos treinamento de atleta profissional pra época. Wendell fazia um trabalho maravilhoso com relação à competição. Ele tinha muitos alunos, entre crianças e adolescentes, que mesclados com os adultos faziam um ótimo treino. Tenho saudades dessa época. Dell (Wendel Alexander) me ensinou a ganhar competição mesmo que eu não fosse o melhor da chave. Hoje, com mais estudo e informação, posso utilizar tudo isso na formação dos meus alunos e atletas de competição na Bastos Bjj Midland.

Você foi testemunha ocular do surgimento da Nova União. De um lado, Wendell, cria do mestre Fadda. Do outro, André Pederneiras, do mestre Carlson Gracie. Como foi juntar as duas escolas e formar uma equipe coesa e campeã?

Lembro que a primeira vez que fui à academia do Professor Andre Pederneira, o “Dedé”, eu tinha 13 anos. Fui com o Luizinho, meu patrocinador, pois ele havia apostado um jantar com o Dedé numa luta. Eu finalizei rápido. O Dedé pediu revanche imediata e o garoto me finalizou. Então fomos para o tira-teima. Depois de mais de 10min de luta o Dedé nos mandou parar, pois tínhamos somente 13 anos e ele pagaria o jantar… (risos). Depois disso, começamos a fazer algumas visitas, e nessa época tinha a participação do Jucão. Quando a equipe foi formada oficialmente em 1995, Jucão decidiu não fazer parte, ficando assim o Dell e o Dedé na criação dessa equipe que foi muito forte, onde tinha uma direção com o Luizinho e Dedé na época. Tento hoje seguir tudo de bom e não deixar acontecer tudo de ruim dessa equipe no gerenciamento da minha própria equipe.

A sua família não veste roupa, mas sim kimono Todos os seus irmãos praticam a arte suave há anos. Como é essa relação de sangue e de luta também?

Além dos meus irmãos, Bianca e Ricardo, também têm outros dois primos, Fernanda e Andre, que são Faixas Pretas, mas isso não é nem uma parte da nossa família que é muito grande. Vivemos muitas coisas juntos e isso foi importante em nosso crescimento. Hoje somente o André não esta conosco, por opção dele. Minha prima Fernanda esta voltando aos poucos e a equipe do marido dela e a minha estão fazendo um excelente intercambio. Minha Irmã esta se organizando pra isso também, pois é muito ocupada como fisioterapeuta. Eu e meu irmão, Ricardo, somos os mais ativos no momento, até por ele estar me ajudando hoje com minha Associação. Em breve a Associação não terá mais meu nome. Será somente Bastos, pois todos têm participação nisso.

Você está ministrando aulas fora do país há algum tempo. Qual o motivo de sair do Brasil e tentar galgar campos melhores em terras estrangeiras? E como está a sua equipe hoje?

Eu saí do Brasil com 29 anos (2009). Até então, mesmo sendo faixa preta desde os 20, eu vivia me “virando nos 30” (risos). Então, pra mim foi uma oportunidade de construir algo meu e ter minha família. Ralei bastante, mas valeu a pena. Todos os anos de batalha esta sendo recompensados e ainda quero crescer muito mais. Não vejo limites nesse crescimento, com o trabalho sendo feito de forma correta.

(Foto: Arquivo Pessoal)

(Foto: Arquivo Pessoal)

A nova geração não o conhece bem, mas a antiga sabe quem você é de longa data. Então, conte pra gente um pouco das suas principais conquistas no BJJ e Submission?

Vou discordar de você… (risos). Muita gente me reconhece em campeonatos aqui na América, na Europa e no Brasil. Acho que o fato de me manter ativo competindo ajuda nisso. Diria que os títulos mais importantes seriam na IBJJF. Campeão Mundial (Master) Com e Sem Kimono, Panamericano (Master) Com e Sem Kimono, Europeu (Master), Brasileiro (Adulto) Sem Kimono, Rio Open (Adulto), Internacional de Master, Tri-Campeao Houston Open (Adulto), NY Open (Adulto), Phoenix Open (Adulto), Atlanta Open (Adulto) Mundial CBJJE (Adulto), Tricampeão Copa do Mundo CBJJO (Adulto), duas participações no ADCC, Vice Campeão do Mundial Pro em Abu Dhabi (Adulto).

Momento Trocação com Bruno Bastos: 

Nova União é … 

Amor e Decepção, porem gratidão.

Wendell Alexander

Amor e Decepção, porem gratidão.

Família Bastos na sua vida é… 

Minha Família.

Bruno Bastos fora da luta seria.. 

Atleta em outro esporte.

 Livro:

 Talento Não é Tudo – John C Maxwell

Filme:

Moneyball (O Homem Que Mudou o Jogo) 

Gastronomia: 

Picanha com farofa de ovo.

Não saio de casa sem… 

Telefone

Recado final aos seguidores do site NOCAUTE NA REDE!

Obrigado pela oportunidade de eu falar sobre minha historia. Gostaria de deixar um convite pra que conheçam meu trabalho aqui no Texas (EUA), em minha academia Bastos Bjj Midland. As portas estão abertas pra quem quer aprender e evoluir em um ambiente profissional e família ao mesmo tempo. Qualquer coisa pode escrever inbox no meu Facebook. Estou sempre recebendo atletas do Brasil, que tem conseguido sucesso aqui, alem dos meus alunos americanos que estão ganhando em todos os campeonatos que entramos. Visitem o site www.bastosbjjmidland.com. Estamos crescendo, e é somente o inicio. OSS!

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH     

Escrito por André Vieira Ribeiro



Categorias
EntrevistasJiu JitsuLutas

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
Sem Comentários

Responder

*

*

5 × 2 =

RELACIONADO POR