Entrevista: Itallo Vilardo

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e especialista em preparação física para lutadores, Itallo Villardo fala um pouco sobre o seu trabalho, atletas que auxilia na preparação e esmiúça sobre o treinamento...

Faixa-preta de Jiu-Jitsu e especialista em preparação física para lutadores, Itallo Villardo fala um pouco sobre o seu trabalho, atletas que auxilia na preparação e esmiúça sobre o treinamento “homem x mulher”.

Itallo Vilardo (dir) com Raphael Abi-Rhian (esq) (Foto: Arquivo Pessoal)

Itallo Vilardo (dir) com Raphael Abi-Rhian (esq) (Foto: Arquivo Pessoal)

Ítallo, hoje você é um profissional especializado em treinamento de atletas de luta. Qual a sua formação marcial e há quanto tempo atuando neste segmento específico?



Tenho um envolvimento com as artes marciais desde os 4 anos de idade, quando me iniciei no judô, praticando por mais de 10 anos. Depois me envolvi com o jiu-jitsu (empolgado com as lutas do Royce Gracie no UFC) e pratico até hoje, já graduado no 3º grau na faixa preta, tendo sido graduado pelo Mestre Leonardo Castello Branco. Pratiquei um bom tempo de Boxe com o Mestre Claudio Coelho e tive passagens pelo Wrestling e Muay Thay.

Como você desenvolveu esse método específico de treinamento? E qual a finalidade?

Na verdade, eu não desenvolvi método nenhum, somente trouxe a ciência do esporte para dentro do treinamento de luta. Aliei os conceitos de fisiologia, biomecânica, treinamento desportivo e especificidade ao meu conhecimento dentro das artes marciais. Com isso, meus atletas passaram a treinar com mais qualidade e gabarito profissional, um trabalho com embasamento e norteado pela ciência do treinamento. Trouxe para as lutas a forma de treinar já encontrada na maioria dos esportes, principalmente nas modalidades olímpicas. Por isso, o meu trabalho é todo planejado e especifico.

Quais foram os primeiros atletas que você já trabalhou?

Meu primeiro atleta foi o Felipe Costa (bi campeão mundial de Jiu-Jitsu) e logo depois vieram Igor Silva e Raphael Abi-Rihan. Felipe e Raphael estão comigo ate hoje e confiam 100% no meu trabalho, é essa confiança que faz mais diferença ainda! Se eu mandar comer pedra eles irão comer sem perguntar o motivo. Já no MMA comecei logo com um cara que tenho como ídolo, que foi o Pedro Rizzo. Logo depois vieram Vitor Miranda, Jair Sorriso e diversos outros atletas, iniciantes e de ponta.

“Pode até treinar mais, mas ninguém treina igual”. Poderia explicar, dentro da sua modalidade de treino, esta frase?

Sempre uso essa frase, já é marca registrada (risos)! Infelizmente a maioria das pessoas tem a péssima mania de achar que treino bom é o que você sai esgotado, morto! Treinos que duram horas… E isso é errado! O treino não foi feito para desgastar o atleta, ele foi feito para gerar estresses metabólicos, fisiológicos e musculares para que isso gere uma melhora posteriormente. Inicialmente, tinha atleta que virava para mim e dizia: “Mas só isso? Nem cansei! Ta certo?” Muitos atletas ficavam com “aquela pulga atrás da orelha” achando que eu estava me errado… E colocava os atletas sempre para treinar de uma forma diferente do que era visto, enquanto apareciam pessoas virando pneu, balançando cordas… meus atletas estavam levantando peso, fazendo levantamento olímpico… Ai surgiu a frase, dizendo que as pessoas podem até treinar mais, no sentindo de quantidade, mas que ninguém treinava de forma igual a eles (simples e objetiva).

O treino de um atleta serve para outro, mesmo com biótipo equivalente? Justifique…

Cada atleta tem um treinamento totalmente diferente do outro. Podem ter exercícios iguais, mas com configurações e objetivos diferentes. Isso se chama individualidade biológica. E ainda tem a individualidade especifica que seria a diferença na forma de lutar, de conduzir a luta, estratégia utilizada… Um bom exemplo são os atletas Felipe Costa e Caio Terra (trabalho com os dois),uns dos maiores pesos galos da história do Jiu-Jitsu. Os dois treinaram juntos por muitos anos, os dois têm o mesmo peso, posições e golpes parecidos, sempre que podem treinam juntos e compartilham técnicas, mas tem o treinamento totalmente diferente. Um é mais explosivo e finalizador, o outro tem um jogo mais cadenciado, vai ganhando espaço com mais calma com uma estratégia mais bem montada. E esse é um dos segredos do meu trabalho, ele é montado para a sua característica, sua forma de lutar, seus movimentos.

Hoje, quais os lutadores fazem uso do seu acompanhamento de treino?

Trabalho com mais de 70 atletas! Tenho atletas no mundo inteiro! Brasil, EUA, Abu-dhabi, Japão, Malasia, Espanha, França, Russia… Desde atletas de ponta a pessoas que estão começando e/ou que querem seguir uma boa planilha de treinos. Acompanho todos diariamente por email, wathaspp, fotos, vídeos e tudo o que conseguimos fazer. Dou a mesma atenção para quem trabalho pessoalmente aqui no Brasil, quanto para quem esta em Abu-Dhabi, a única diferença é que quem treina no Brasil não me manda mensagem 5hs da manha com duvida em algum exercício… (risos)

Seminário Itallo Vilardo (Foto: Arquivo Pessoal)

Seminário Itallo Vilardo (Foto: Arquivo Pessoal)

O treinamento marcial é o suficiente para alcançar resultados expressivos?

Sim! Alguns atletas, principalmente os mais leves, fazem muito treino baseado em planilhas de treinamento intervalado onde treinam basicamente Jiu-Jitsu, de uma forma configurada, com tempos de ação, intervalo, quantidades de treinos e troca de sparing tudo configurado e organizado. Quando o Caio Terra me levou para Califórnia, em 2013, para treiná-lo para o mundial de Jiu Jitsu, só fizemos treinos de luta, não carregamos um peso, não fizemos um exercício que não fosse no tatame e de kimono, e naquele campeonato o Caio sobrou! Sagrou-se campeão. Outro atleta que já acompanho há anos que agora esta despontando bastante no cenário internacional e sempre faz muito uso de treinamento intervalado é o Osvaldo “Queixinho”.

Há alguma diferença na preparação, usando o seu método, entre homens e mulheres?

A única consideração quanto ao gênero homem e mulher vai ser em cima do ciclo menstrual da mulher, por conta de ganho de peso, retenção hídrica e claro que não podia deixar de citar a TPM.

Recado final aos seguidores internautas do site NOCAUTE NA REDE!

Obrigado a galera do NOCAUTE NA REDE por mais essa oportunidade de falar sobre um pouco do meu trabalho, e obrigado aos seguidores. Quem tiver qualquer dúvida pode entrar em contato em www.itallovilardo.com onde tenho o maior prazer em responder a todos. Quem quiser seguir pela mesma área, segue uma dica: estudem e abram a mente! Pratiquem artes marciais, conheçam os movimentos que só se encontram nas lutas, entendam a cabeça e o corpo do lutador. Fiquem com Deus, Osss!

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH

Escrito por André Vieira Ribeiro



Categorias
EntrevistasJiu JitsuLutas

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
Sem Comentários

Responder

*

*

14 + sete =

RELACIONADO POR