ESPECIAL PRIDE FC Nº 3: PRIMEIROS CAMPEÕES, MAIS LENDAS SURGINDO E PARCERIA COM O K-1 #DEZANOSSEMPRIDE #PRASEMPREPRIDE

Na terceira parte do Especial PRIDE do Nocaute Na Rede, veremos quem foi o rei do PRIDE em 2001 e 2002, quais lendas deram o ar da graça e tudo sobre uma parceria especial que abrilhantou mais ainda a organização
(Foto: Venum)

O século XXI começa para o PRIDE e precisa começar em grande estilo! A organização sai do ano 2000 com saldo positivo mas faltava alguma coisa… Algo que fosse incendiar mais ainda os espectadores, atrair mais atenção para seus eventos e elevar a patamares ainda maiores o status de melhor organização de MMA do Japão para o PRIDE. Em 2001, mais seis eventos foram realizados pelo PRIDE e a abrangência do alcance dos eventos ficou ainda maior: foram dois eventos em Saitama, um em Yokohama, um em Tóquio, um em Fukuoka e um em Osaka. Parecia não haver limites para o PRIDE.

O brasileiro Wanderlei Silva “iniciava os trabalhos” em 2001 com o primeiro combate de uma trilogia das mais excitantes da história do MMA, nocauteando o “Gracie Hunter” Kazushi Sakuraba pelo PRIDE 13 em Março… O ano de 2001 também viu nomes como Chuck Liddell, Dan Henderson, Ricardo Arona, Antônio “Nino” Schembri, Antônio Rodrigo “Minotauro” Nogueira, Don Frye, Quinton “Rampage Jackson”, Mirko “Cro Cop” Filipovic, Murilo “Ninja” Rua e muitos outros dando o ar da graça e logo o PRIDE tinha cards tão cheios de lendas, que toda luta poderia ser chamada de superluta.

Primeira luta de uma das melhores trilogias da história do MMA. Wanderlei Silva surra Kazushi Sakuraba pelo PRIDE 13 (Foto: UFC Fight Pass)

Vítor Belfort, Gary Goodridge, Igor Vovchanchyn, Kazuyuki Fujita, Heath Herring e muitos outros tiveram um excelente ano de 2001 e o PRIDE acabou vendo-se obrigado a buscar um “rei” para suas categorias de peso. Lutas memoráveis, atletas disputando cada polegada do ringue como se fosse propriedade deles… Faltava um cinturão. Algo que afirmasse para o atleta de que ele era mesmo o dono da sua categoria… E foi exatamente o que o PRIDE começou a engendrar. Logo menos, a organização coroaria seus primeiros campeões e o Brasil sairia muito bem nessa…

No final de 2001, o PRIDE finalmente coroou os primeiros campeões. No PRIDE 17: Championship Chaos, realizado em Tóquio no dia 03 de Novembro, a bandeira verde e amarela brilhou dentro dos ringues. Wanderlei Silva sagrava-se campeão dos pesos-médios nocauteando Kazushi Sakuraba pela SEGUNDA VEZ e mostrava que era um dos atletas mais ferozes que o plantel do PRIDE possuía. Além dele, o nosso Rodrigo “Minotauro” Nogueira venceu Heath Herring e tornou-se o campeão dos pesos-pesados. O Brasil mostrava ao PRIDE quem era o rei daquilo tudo enquanto nos bastidores, uma parceria muito celebrada estava prestes a ser concretizada…

Antônio Rodrigo “Minotauro” Nogueira e Wanderlei Silva sagram-se campeões do PRIDE em 2001 (Foto: Montagem)

Tal parceria começou a ser especulada no final de 2001 quando atletas como Semmy Schilt e Mirko “Cro Cop” Filipovic competiam em lutas sob regras do K-1 e lutas de MMA também… Muitos achavam que o PRIDE estava tramando algo. E estava… O ano termina com mais de 150 mil espectadores, grandes lutas, primeiros campeões e abrangência cada vez maior para o PRIDE… Mas o que será que 2002 reservava para a organização? Em 2002, o PRIDE realizou 10 eventos e trouxe atletas como Anderson Silva, Alistair Overeem, Bob Sapp, Antônio Rogério “Minotouro” Nogueira, Kevin Randleman, Paulo “Paulão” Filho e um tal russo aí, chamado Fedor Emelianenko

Wanderlei Silva continuava seu reinado nos pesos médios e defendia seu título duas vezes. Seus combates incendiavam os espectadores e sua brutalidade, poder de nocaute e “sangue no olho” logo o elevaram a status de lenda do PRIDE. Mas além disso, 2002 foi o ano que o PRIDE realizou seu MAIOR evento. As especulações foram dadas como reais quando, em Agosto, a organização fecha uma parceria com o K-1 e realiza o evento PRIDE Shockwave no dia 28 para mais de 70 mil pessoas no Estádio Nacional de Tóquio. Neste evento, além das presenças de Wand e Cro Cop, tivemos a lendária luta entre Rodrigo Minotauro e Bob Sapp!

2002 termina em grandessíssimo estilo para o PRIDE, cada vez mais espectadores se encantam com o que a organização oferece e a parceria com o K-1 movimenta mais ainda o mundo das lutas e traz cada vez mais atletas para os ringues. Mais de 200 mil pessoas estiveram presentes nos eventos e milhões de espectadores acompanharam os duelos nas telas da TV… Os planos da DSE e de Sakakibara continuavam crescendo e 2003 prometia. Idéias não faltavam e os atletas estavam cada vez mais aguerridos e motivados a fazer história… Mas o que aconteceu de fato em 2003? Confira na parte 4 do Especial PRIDE!



Categorias
EspeciaisLutasMMAMMA InternacionalPride

Paulistano, São Paulino, baterista, perito em TI, fanático por lutas e viciado em games. Colunista e redator Nocaute Na Rede.
    Sem Comentários

    Responder

    *

    *

    17 + dezenove =

    RELACIONADO POR