Nocaute na Rede Entrevista: Murilo Bustamante

No início deste mês de agosto, dia 4, Murilo Bustamante, lenda da “arte suave”  e primeiro brasileiro a ser campeão peso-médio do UFC, alcançou a faixa coral, 7º grau,...
Murilo Bustamante (Foto: Divulgação)

No início deste mês de agosto, dia 4, Murilo Bustamante, lenda da “arte suave”  e primeiro brasileiro a ser campeão peso-médio do UFC, alcançou a faixa coral, 7º grau, de jiu jitsu. Em entrevista exclusiva ao Nocaute na Rede, o ex-lutador falou sobre a graduação, evolução do jiu jitsu e do MMA e ainda deu conselhos para àqueles que sonham em viver de artes marciais.

ENTREVISTA



Nocaute na Rede: Murilo, você acaba de ser promovido à faixa coral 7º grau de jiu jitsu. Fala um pouco sobre o sentimento por essa premiação. Eu falo premiação porque essa graduação é um prêmio por toda sua vida dedicada ao esporte.

Murilo Bustamante: Fico muito feliz, muito honrado, mas a faixa coral é uma etapa da minha carreira, assim como foi o 5º grau, o 6º grau. Fiz do jiu jitsu a minha vida, represento o jiu jitsu desde que era garoto, fazendo o melhor possível pela imagem dele. O jiu jitsu é e sempre foi como minha religião, comecei a lutar vale tudo pra representar a modalidade. Não tinha ambição nenhuma de me tornar lutador profissional, foi uma coisa que aconteceu na minha vida naturalmente. E quanto a graduação, fiquei muito honrado de poder reunir meus amigos na festa, os mestres que me graduaram, mas eu considero a faixa uma etapa apenas na minha carreira, que veio a premiar toda minha perseverança, toda minha lealdade e fidelidade ao esporte que eu tanto amo.

Nocaute na Rede: Como você vê a evolução do jiu jitsu? É muito diferente da época que você começou a treinar?

Murilo Bustamante: Como todo esporte que usa o físico, que depende da movimentação do corpo, o jiu jitsu tem uma evolução infinita. Não vai parar de surgir movimentos novos, alguns bons e outros nem tantos, mas acho que a evolução é muito grande. Mas os fundamentos do jiu jitsu continuam sendo mais importante. Não adianta você pegar um atleta e ensinar um bando de posições novas, colocar ele pra lutar, que sempre vai ter buracos no seu jogo senão souber os fundamentos. Os fundamentos são mais importantes. Mas o jiu jitsu evoluiu muito, a preparação física também, mas uma coisa que eu acho ruim, que realmente luto contra isso, é a popularização do uso de anabolizantes. Na minha época já existia isso, alguns competidores usavam anabolizantes, mas hoje em dia muitos mais estão usando. Isso é um passo atrás, um retrocesso, deveria ser melhor combatido. Não podemos deixar os trapaceiros serem campeões, essa é minha visão. Um dos maiores orgulhos que tenho na minha carreira é de nunca ter trapaceado em nada. Sempre lutei apenas com meu treinamento, minha mente, meu corpo e meu coração, nunca precisei tomar nada e acho que ninguém precisa. Os atletas que tomam estão arriscando a saúde por pura ambição.

Nocaute na Rede: Você também lutou um bom tempo no MMA e foi inclusive, como já dissemos no início, primeiro brasileiro a ser campeão do UFC. O MMA, como você a evolução dele? Você acha que tem mudado bastante? Tem acompanhado e gostado dessa evolução pelo qual ele tem passado desde a época do vale tudo?

Murilo Bustamante: Eu venho do tempo do vale tudo, em que cada atleta representava sua modalidade e o jiu jitsu se provou mais eficiente. Hoje em dia o que nós vemos é que todos os atletas procuram treinar o máximo de modalidades possíveis, mas todos eles treinam jiu jitsu. O jiu jitsu é obrigatório para o atleta conseguir chegar no topo, na minha opinião. O problema hoje, no MMA, é que os lutadores, talvez a maioria, esteja muito preocupado com o resultado, com a cabeça na pontuação, no vencer round a round, sem se expor muito, então as lutas ficam meio monótonas. Mas é o esporte! Virou um esporte e cada atleta tem direito de escolher sua própria estratégia.

Nocaute na Rede: Para quem quer ser atleta profissional nos dias de hoje, viver da luta, que conselhos você teria a dar?

Murilo Bustamante: Pra quem quer ser atleta de luta, meu conselho é: treine muito, trabalhe muito e encare a profissão como qualquer outra, com muita seriedade. Seja fiel a sua equipe, seus treinadores. Vejo muitos atletas mudando de equipe, não tendo fidelidade, e acho que no final isso acaba prejudicando o próprio lutador. Ninguém é campeão sozinho. É muito importante uma boa equipe que realmente se importe com o atleta pra fazê-lo campeão, pra dar o suporte necessário.

Nocaute na Rede: Deixa um recado para seus fãs, pra galera que te acompanha de uma forma geral.

Murilo Bustamante: Eu só tenho a agradecer a todo suporte que tenho recebido, das pessoas que gostam de luta. Eu sempre procurei ter muita consciência no meu trabalho, muita seriedade e sempre tive muito reconhecimento por isso. Só tenho a agradecer mesmo e dizer que o melhor esporte para as crianças é o jiu jitsu. Coloquem seus filhos numa academia de jiu jitsu escolhida a dedo, porque os professores que vão ensinar são muito importantes na formação das crianças.

 

Edição, redação e texto: Kaio Lima



Categorias
EntrevistasEspeciaisJiu JitsuKaio LimaLutasMMA InternacionalMMA Nacional

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

20 − doze =

RELACIONADO POR