Papo de lutador com Márcio André: De Bangu-RJ para o mundo

Faixa Preta de Jiu-Jitsu do mestre Fácio Andrade, Márcio André chega com tudo para as competições de 2015. Campeão Mundial em todas as faixas do Jiu-Jitsu, no mês passado,...

Faixa Preta de Jiu-Jitsu do mestre Fácio Andrade, Márcio André chega com tudo para as competições de 2015. Campeão Mundial em todas as faixas do Jiu-Jitsu, no mês passado, o carioca adicionou em sua coleção de medalhas de ouro, a do Campeonato Europeu de 2015. Focado nos sonhos e sem deixar a humildade de lado, o lutador bateu um papo descontraído com o Portal Nocaute na Rede. Falou da alegria em poder levar a vida como atleta do Jiu-Jitsu, assim como assuntos mais sérios. Confira!

Marcio André desde os 10 anos é um colecionador de medalhas. Foto: Nova União

Marcio André desde os 10 anos é um colecionador de medalhas. Foto: Nova União

Nocaute na Rede: Você tem origem humilde. Foi criado em Bangu e perdeu seu pai muito cedo. Se não fosse o Jiu-Jitsu em sua vida, como seria?



Márcio André: Não sei. Nem consigo imaginar como seria, eu não sou nada sem o Jiu-Jitsu. O esporte me deu um caminho, me mostrou outra alternativa, me leva a lugares incríveis. Eu uso terno todos os dias, só que ele tem um nome diferente: kimono. Eu perdi meu pai cedo, mas minha mãe fez uma missão incrível e não deixou nada faltar pra mim. Lógico que senti falta, porém ela estava comigo em todos os momentos. Ela me deu caráter e disse que eu posso conquistar o mundo.

Orgulhoso, Márcio André guarda o kimono que lhe deu o primeiro Título na Faixa Preta. Foto: Arquivo Pessoal

Orgulhoso, Márcio André guarda o kimono que lhe deu o primeiro Título na Faixa Preta. Foto: Arquivo Pessoal

NR: Algum dia imaginou que o Jiu-Jitsu seria sua vida, te fazendo viajar o mundo e conhecer outras culturas?

MA: Desde os meus primeiros passos no Jiu-Jitsu, eu já sabia o que queria. Eu sempre fui presente em todos os treinos. Eu gostava de treinar com os graduados para evoluir mais rápido. O Jiu-Jitsu me deu muitos carimbos no passaporte, me levou a lugares incríveis. Eu só tenho que agradecer por ter encontrado essa arte maravilhosa. O Jiu-Jitsu é uma ferramenta social incrível, todos deveriam conhecer.

NR: A sua familia sempre apoiou seu caminho no Jiu-Jitsu?

MA: Sim, sempre me apoiaram. A caminhada no Jiu-Jitsu de competições depende de muitos fatores além dos treinos. O patrocínio é o maior adversário do praticante. Eu demorei um pouco pra encontrar apoio para lutar, então minha mãe sempre estava ali me ajudando. Mas eu busquei alternativas também: já lavei muito carro, ajudei as pessoas a carregarem sacolas nos mercados. Tudo isso para pagar minha competição. Quando você olha para um campeão, não dá para imaginar o que ele passou para estar ali. Eu agradeço a Deus por me dar um dom e força de vontade para correr atrás dos meus sonhos.

Márcio André com a sua mãe, Andréia Viana. Foto: Arquivo Pessoal

Márcio André com a sua mãe, Andréia Viana. Foto: Arquivo Pessoal

NR: Para os praticantes do Jiu-Jitsu, receber a faixa preta é um sonho. Como foi receber a faixa no Mundial de Long Beach, na Califórnia, das mãos do seu Mestre Fábio Andrade?

MA: Na verdade, eu nem esperava. Muita gente não sabe, mas eu lutei com “apenas” um joelho naquela competição. Meses antes, eu só pedi a Deus para me deixar lutar sem me machucar mais. Ele me abençoou com a vitória. Eu já estava sem forças naquela final do Mundial. Quando Fábio jogou a faixa pra mim, minha vida passou em segundos na minua cabeça. O moleque que sempre sonhou tinha acabado de conquistar a faixa-preta. Sensação inesquecível. Ser faixa-preta é uma honra. É como se eu tivesse feito um gol na final do Mundial. Em vez de taça, eu ganhei a faixa.

Erguendo a Faixa Preta, jogada pelo mestre Fábio Andrade, no Mundial da California. Foto: Eduardo Ferreira

Erguendo a Faixa Preta, jogada pelo mestre Fábio Andrade, no Mundial da California. Foto: Eduardo Ferreira

NR: Para um menino simples e humilde, a fama e o dinheiro proporcionado pelas conquistas, pode subir a cabeça e mudar a pessoa. Como você lida com isso?

MA: Eu sempre lidei bem com isso. Não vou deixar conquistas me mudarem. Eu vim do nada, mas fui moldado com muita humilde e caractér. Eu tenho um professor especial, tenho ele como exemplo. A humilde sempre anula todos os pontos negativos que uma pessoa pode ter. Eu não posso me achar melhor que ninguém nunca, pois somos todos iguais perante a Deus. Todos os dias eu tento ser uma versão melhor de mim mesmo. Humilde para vencer e lidar com os bônus conquistados.

Márcio André com 14 anos, competindo como Faixa Laranja: Foto: Arquivo Pessoal

Márcio André com 14 anos, competindo como Faixa Laranja: Foto: Arquivo Pessoal

NR: O que você acha que falta para o Jiu-Jitsu se tornar um esporte olímpico?

MA: Na minha visão, tinha que ter somente uma federação no Jiu-Jitsu. Existem várias e todas com regras diferentes. É complicado falar desse assunto. Espero um dia ver o Jiu-Jitsu no patamar que ele merece, na televisão. É o melhor esporte do mundo.

NR: E sobre os rivais? Quais são os lutadores mais duros que o Márcio André vem enfrentando nos últimos anos?

MA: Pergunta difícil, rs. Já enfrentei atletas muitos duros e complicados nessa minha pequena carreira. Os irmãos Miyao foram alguns dele. Tivemos combates memoráveis. O Isaac Doderlein também. Ele é um adversário muito técnico e complicado. É difícil lutar com ele.

Marcio André x João Miyao -Trials Abu Dhabi -RJ -2012. Foto: youtube

Marcio André x João Miyao -Trials Abu Dhabi -RJ -2012. Foto: youtube

NR: Como está sendo a experiência de estar disputando as competições na faixa preta, ao lado de várias feras?

MA: Está sendo mágico. Imagina você viver o sonho que sempre almejou desde de moleque. Não tem preço. Minha missão no Jiu-Jitsu é deixar meu nome cravado na história do esporte. Isso só depende de mim. Eu treinei muito para chegar até a faixa-preta e hoje alguns dos meus ídolos acabaram se tornando rivais, mas é só ali dentro do tatame mesmo. Eu continuo tendo uma admiração por todos eles.

NR: Qual o foco do Márcio André daqui pra frente?

MA: Quero ser campeão mundial na faixa-preta. Minha meta é essa. Só penso nisso. E eu vou ser campeão mundial na faixa preta!

NR: Espaço aberto para o Márcio André.

MA: Primeiro, agradeço a Deus por me dar o melhor trabalho do mundo. Quero deixar um muito obrigado a Koral, Cemeru, Rexpeita e Bull Terrier. Eles são meus patrocinadores, caminham lado a lado comigo e deixam o caminho mais fácil. Obrigado, de coração.

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH

Escrito por Bruno Carvalho



Categorias
Jiu JitsuLutas

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
Sem Comentários

Responder

*

*

sete + sete =

RELACIONADO POR