Poliana Botelho estreia diante de Valerie Letourneau no UFC 206 e projeta vida longa na organização

Revelação da Nova União encara a ex-desafiante ao cinturão peso-palha no dia 10 de dezembro, em Toronto; descida de categoria é encarada com naturalidade
(Foto: Alexandre Loureiro/Inovafoto)

A espera de Poliana Botelho chegou ao fim. Campeã mundial do XFC e recém-contratada pelo UFC, ela enfim teve seu primeiro desafio no maior evento de MMA do mundo confirmado. E na agenda da revelação da Nova União está marcado o dia 10 de dezembro, em Toronto, no Canadá, no UFC 206, contra a anfitriã e renomada Valérie Létourneau, de 33 anos, e ex-desafiante ao cinturão peso palha (até 52,2kg) que hoje pertence a polonesa Joanna Jedrzejczyk.

Foram quatro meses entre o contrato assinado e o anúncio do novo combate, que deixaram Poliana na expectativa pelo primeiro confronto no UFC. Mesmo sem duelo marcado e sem atuar desde setembro do ano passado, a atleta de Muriaé, em Minas Gerais, não quis saber de baixar a guarda nos treinos e se focou ainda mais ciente de que chegaria o seu grande momento.

“Depois do contrato com UFC me dediquei mais. Nunca parei de me aperfeiçoar, mesmo tanto tempo sem lutar. Me cobro muito e quero sempre estar na melhor forma. Estou sempre de dieta e vou ficar mais rígida para ficar mais forte e preparada. Estou no maior evento do mundo e quero ser a melhor. Tenho que dar o máximo em tudo”, afirma Poliana.

Categoria e pesos são novidades

Além de marcar a estreia da mineira no Ultimate, o duelo também será o primeiro de Poliana na divisão. Anteriormente, a brasileira conquistou o cinturão mundial do XFC na divisão dos moscas (até 56,7kg) categoria em que disputou suas seis lutas, somando cinco triunfos no cartel – todos por nocaute. Mesmo com o forte porte físico e força bruta em seus duelos, ela garante que atingir a marca limite dos palhas não será um problema e que o trabalho já foi iniciado muito antes de qualquer acordo.

“Já tenho um médico e um nutricionista em cima de mim faz tempo. Está sendo tudo muito bem controlado. Não vou passar nenhum aperto quanto a isso. Estou muito confiante para a estreia e vou dar sempre me melhor em tudo”, comenta, sem conseguir esconder a ansiedade para o debute:

“Estou doida para estrear. Desde que assinei o contrato só penso nisso e só trabalho por isso. Por mim já estaria dentro do octógono. Fique um ano parada, quero cair na mão logo. Mostrar meu trabalho tudo que tenho feito. Está na hora de entrar e mostrar meu trabalho da  melhor forma possível e o UFC vai em dar essa oportunidade diante de uma excelente lutadora”, completa.

Respeito fora do octógono

Se de um lado Poliana ainda fará seu primeiro duelo, do outro a canadense Valérie é uma das veteranas na divisão. Ela já fez cinco combates na organização, com três vitórias e duas derrotas. Se a brasileira vem de uma conquista de cinturão, a adversária soma dois reveses consecutivos e já foi derrotada uma vez para a brasileira Claudia Gadelha em outro evento. Ao todo possui um recorde de oito vitórias e cinco derrotas, o que aumenta o respeito de Poliana com a rival. Mas tudo apenas fora do ‘cage’.

“A Valerie é conhecida e forte. Já tem um nome e uma carreira no UFC. Respeito ela demais, mas isso é só fora do octógono. Lá dentro não tem isso. Vou fazer minha estratégia e se deus quiser vou conseguir essa vitória nesta estreia e já mostrar que vim para o Ultimate para ser a melhor e não mais uma. Vencer uma lutadora desse nível na estreia vai mostrar a todos quem é Poliana Botelho”, analisa.

Poliana Botelho tem 27 anos e um cartel com 6 lutas, 5 vitórias (5 nocautes) e 1 derrota (decisão). A brasileira já foi campeã peso mosca do XFC. Sua última luta foi em setembro de 2015, pelo XFCi 11, quando venceu Silvana Gomez por nocaute técnico. 

Valérie ‘trouble’ Létourneau tem 33 anos e um cartel com 13 lutas, 8 vitórias (4 nocautes, 1 finalização e 3 por decisão) e 5 derrotas (2 nocautes e 3 por decisão). A canadense já disputou o cinturão peso mosca, mas acabou sendo derrotada pela campeã Joanna Jedrzejczyk, e agora soma duas derrotas consecutivas. Na última vez que esteve no octógono, em junho deste ano, no UFC Fight Night 89: MacDonald vs Thompson, Létourneau entrou para a história ao realizar a primeira luta pela categoria peso mosca feminino da história do Ultimate, ao lado de Joanne Calderwood, onde acabou sendo derrotada por nocaute técnico no 3º round.



Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

2 + seis =

RELACIONADO POR