Prévia do UFC on Fox 21: Maia vs Condit

Maia x Condit lutam por um provável 'tittle shot'; Pettis estreia nos penas contra Charles Do Bronx, que não tem se mostrado um bom anfitrião com lutadores vindos de outra categoria; Joe Lauzon x Jim Miller já fizeram a "Luta do Ano 2012", agora prometem fazer a revanche ser tão movimentada quanto aquela primeira luta

Neste sábado, 20, acontece o UFC on Fox 21: Maia vs Condit. Na luta principal, o melhor representante do jiu jitsu no MMA mundial, Demian Maia, enfrenta o monstruoso ‘striker’ Carlos ‘the natural born killer’ Condit. Na luta co-principal, o ex campeão dos leves Anthony ‘showtime’ Pettis faz sua estreia nos pesos leves contra o brasileiro Charles do Bronx. O card principal conta ainda com a musa peso palha Paige ’12 gauge’ Vanzant enfrentando a perigosa australiana Bec ‘rowdy’ Rawlings e tem também a revanche histórica entre Joe Lauzon x Jim Miller. O card preliminar tem o ‘smiley’ Sam Alvey enfrentando o genro de Muhammad Ali, Kevin ‘king’ Casey, o campeão do TUF Nations: Canadá vs Austrália, Chad Laprise, e a estreia do brasileiro Felipe Silva, pupilo do grande mestre Cristiano Marcello na CM System. Confira agora a prévia de mais um grande evento do UFC.

Luta Principal – Meio Médios – Demian Maia vs Carlos Condit



(Foto: Reprodução/ SporTV)

(Foto: Reprodução/ SporTV)

Demian Maia tem 38 anos e um cartel com 29 lutas, 23 vitórias (3 nocautes, 11 finalizações e 9 por decisão) e 6 derrotas (1 nocaute e 5 por decisão). É profissional de MMA desde 2001. Pelo UFC, são 23 lutas, 17 vitórias, 6 derrotas, 4 bônus de “Finalização da Noite”, 1 de “Luta da Noite” , 1 de “Performance da Noite” e já disputou o cinturão peso médio. Foi premiado pela ‘Fight! Magazine’ como “Novato do Ano 2008”.

Carlos ‘the natural born killer’ Condit tem 32 anos e um cartel com 39 vitórias, 30 vitórias (15 nocautes, 13 finalizações e 2 por decisão) e 9 derrotas (1 nocaute, 3 finalizações e 5 por decisão). É profissional de MMA desde 2002. Pelo UFC, são 12 lutas, 7 vitórias, 5 derrotas, 2 bônus de “Nocaute da Noite”, 5 de “Luta da Noite” e campeão interino meio médio. Antes do UFC, foi campeão meio médio do extinto WEC.

(Foto: Giuliano Gomes/ PR Press)

Demian Maia deu mais um show, passou 3 rounds “mochilados” em Matt Brown e terminou conseguindo finalizar com um mata leão bem no finalzinho do combate (Foto: Giuliano Gomes/ PR Press)

Demian Maia é um fenômeno absurdo do jiu jitsu no MMA. O brasileiro foi multicampeão na “arte suave” e conseguiu fazer uma excelente transição para o MMA. Com o passar do tempo, o que era bom foi ficando cada vez melhor, e chegou ao nível excepcional que é hoje. Uma vez no chão, é praticamente impossível conseguir se livrar de Demian. E quando o cara tenta muito se levantar, acaba dando espaço para Maia finalizar. No jogo de wrestling, Demian também chegou a um nível sensacional, a ponto de conseguir dominar wrestlers de alto nível como Ryan LaFlare. A mistura entre as duas artes marciais fazem com que o jogo do brasileiro seja um pesadelo para os adversários, principalmente para ‘strikers’, algo que o próprio Carlos Condit fez questão de mencionar em entrevistas (Condit sobre Demian Maia: “O estilo dele é um pesadelo para muitos caras, inclusive para bons lutadores de chão”). O preparo físico pode ainda não ser tão espetacular, mas tem melhorado bastante nos últimos tempos, inclusive conseguido chegar a 3 rounds tranquilamente. O ponto fraco de Demian é mesmo na trocação. A evolução nos últimos tempos não foi muito grande, aliás foi bem pouco. A mão é pesadíssima, mas falta velocidade e principalmente técnica.

Se Demian Maia coloca medo nos oponentes devido a seu jogo de chão, Carlos Condit também faz seus adversários tremerem diante de sua trocação mais do que afiada, baseada no volume de golpes. Muitos socos, joelhadas, chutes e muitas cotoveladas, tudo isso colocado com muita intensidade, dificilmente sendo colocado para andar para trás. No jogo de chão, Condit pode não ser dos mais refinados, mas se vira um pouco, o que se torna nada se a luta acabar indo parar lá com Demian. O preparo físico é outro ponto muito forte dele. Mesmo com muita movimentação, um alto volume de golpes, consegue ir bem durante 5 rounds. O ponto fraco é a defesa de quedas. Ponto fraco esse vindo de longa data. Ponto fraco esse que diante de um adversário que tem justamente o wrestling e o jiu jitsu como grandes qualidades acaba se tornando mais preocupante do que nunca.

(Foto: Reprodução)

Condit aplica suas perigosas cotoveladas em Thiago Pitbull (Foto: Reprodução)

O confronto entre Demian Maia x Carlos Condit é o velho confronto de estilos entre grappler vs striker. Cada um fará o possível para manter o combate em sua área de maior domínio. Condit pode usar sua boa movimentação, envergadura e boxe para manter o brasileiro à distância. Por sua vez, Maia tem mostrado-se imparável nessa questão, partindo pra cima desde o início de cada round, buscando grudar rapidamente, derrubar e levar o oponente para “águas profundas”. Maia só tem que ficar bem atento para não ser surpreendido por uma das cotoveladas ardilosas que Carlos adora mandar, principalmente na curta distância. 3 rounds, esse é o tempo que o brasileiro tem para finalizar. Se passar desse tempo, vantagem para Condit, que tem o preparo físico muito melhor.

Palpite: Apesar do melhor gás de Condit, as vitórias contundentes de Maia nos 3 primeiros rounds serão suficientes para fazê-lo levar a luta na decisão unânime.

Luta Co-principal – Penas – Anthony Pettis VS Charles do Bronx

(Foto: Reprodução/ ESPN)

(Foto: Reprodução/ ESPN)

Anthony ‘showtime’ Pettis tem 29 anos e um cartel com 23 lutas, 18 vitórias (7 nocautes, 8 finalizações e 3 por decisão) e 5 derrotas (5 por decisão). É profissional de MMA desde 2007. Pelo UFC, são 9 lutas, 6 vitórias, 3 derrotas, 2 bônus de “Nocaute da Noite”, 1 de “Finalização da Noite”, 1 de “Performance da Noite”, e é ex campeão peso leve. Já foi campeão peso leve do WEC.

Charles ‘do bronx’ Oliveira tem 26 anos e um cartel com 27 lutas, 21 vitórias (6 nocautes, 13 finalizações e 2 por decisão), 5 derrotas (3 nocautes, 1 finalização e 1 por decisão) e 1 ‘no contest’. É profissional de MMA desde 2008. Pelo UFC, são 15 lutas, 9 vitórias, 5 derrotas, 1 ‘no contest’, 3 bônus de “Finalização da Noite”, 2 de “Luta da Noite” e 3 de “Performance da Noite”.

(Foto: Reprodução/ ESPN)

Pettis aplicou um dos chutes mais espetaculares da história do MMA (Foto: Reprodução/ ESPN)

Anthony Pettis é versado no ‘striker’, com ‘background’ no taekwondo. Os chutes são as principais armas do lutador. Venenosos e plásticos, já derrubaram lutadores do nível de Joe Lauzon e Donald Cerrone, e já surpreenderam outros como Benson Henderson. Pettis tem uma alta precisão nos chutes. O menor espaço pode ser mais do que suficiente para o golpe letal. Os socos não são muito a especialidade dele, servindo mais para marcar a entrada dos chutes. No jogo de chão, também se desenvolve muito bem. Prefere jogar por baixo, aproveitando seu “quadril solto”, também surpreendendo bastante seus oponentes. O bom preparo físico e o queixo duro também são duas boas qualidades do ex campeão. O ponto fraco é a defesa de quedas. Há uma facilidade muito grande para se colocar Pettis com as costas no chão. Das 4 derrotas dentro do UFC, 3 foram para Clay Guida, Rafael dos Anjos e Eddie Alvarez, todos utilizando um jogo de pressão, de abafa, para evitar os chutes precisos, agarrando e derrubando, terminando por vencer na decisão.

Charles do Bronx é altamente conhecido no MMA por sua qualidade no jiu jitsu. Fama essa construída devido ao alto número de vitórias por finalizações durante a carreira. A envergadura também é outro ponto a favor do lutador brasileiro. O ponto fraco é a trocação. A evolução tem acontecido, mais muito aos poucos. Até a potência nos golpes, mas falta velocidade e técnica.

(Foto: Reprodução)

Charles pegou Andy Ogle no triângulo de mão, mas acabou finalizando mesmo mais adiante com um triângulo (Foto: Reprodução)

Assim como na luta principal, a luta co-principal é um embate clássico entre striker vs grappler. Como já dito, a especialidade de Pettis é chutar. Do Bronx costuma jogar com a guarda alta, e além disso tem uma muito boa envergadura, o que pode complicar as tentativas do americano de acertar a cabeça. No entanto, há precisão de Pettis também na linha das costelas, o que pode ser fatal. Como Charles não é muito de trabalhar dando pressão nos oponentes, Pettis pode acabar tendo tempo demais para mirar e chutar no lugar certo. Outro ponto a favor do ex campeão é que Oliveira não tem um jogo tão afiado de wrestling. As melhores opções de Do Bronx são concentrar-se e buscar agarrar a perna de Pettis no momento em que este tentar o chute ou então “colá-lo” na grade, trabalhar um pouco de ‘dirty boxing’ e no mínimo espaço possível tentar fazer uma queda ao estilo judô, utilizando o quadril, ou mesmo entrando nas pernas, seja no ‘single’ ou ‘double leg’.

Palpite: Pettis teoricamente tem a vantagem, no entanto a má fase e o fato de estar estreando na nova categoria podem acabar colaborando para que essa vantagem teórica não aconteça na parte prática. Vitória de Charles Do Bronx por finalização no 2º round.

Pesos Leves – Joe Lauzon vs Jim Miller

(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

Joe ‘J-Lau’ Lauzon tem 32 anos e um cartel com 37 vitórias, 26 vitórias (7 nocautes, 18 finalizações e 1 por decisão) e 11 derrotas (4 nocautes, 3 finalizações e 4 por decisão). É profissional de MMA desde 2004. Pelo UFC, são 21 lutas, 13 vitórias, 8 derrotas, 1 bônus de “Nocaute da Noite”, 6 de “Finalização da Noite”, 6 de “Luta da Noite”, 1 de “Performance da Noite”, 1 de “Luta do Ano 2012”

Jim Miller tem 32 anos e um cartel com 35 lutas, 26 vitórias (4 nocautes, 14 finalizações e 8 por decisão), 8 derrotas (1 nocaute, 2 finalizações e 5 por decisão) e 1 ‘no contest’. É profissional de MMA desde 2005. Pelo UFC, são 23 lutas, 15 vitórias, 7 derrotas, 1 ‘no contest’, 2 bônus de “Finalização da Noite”, 3 de “Luta da Noite” e 1 de “Luta do Ano 2012”.

(Foto: Getty Images)

Lauzon mostra mais uma vez a especialidade da casa, dessa vez contra Jamie Varner (Foto: Getty Images)

Joe Lauzon é um especialista em jiu jitsu. A “arte suave” refinada lhe deu 14 de suas 26 vitórias. Com ‘J-Lau’, não tem muito dessa de golpes mirabolantes, prefere os golpes simples, os básicos, mas que são os mais eficientes. Adora pegar principalmente o braço dos adversários, saindo na ‘kimura’ ou no ‘armlock’. A trocação não é das mais técnicas, mas compensa com muita vontade, e curte disparar cotoveladas para surpreender os rivais. A trocação também é suficiente para aproximar, agarrar e fazer a queda. Além de trabalhar o seu jiu jitsu buscando a finalização, quando a luta está no chão, ‘J-Lau’ também gosta de encontrar posições para melhor trabalharem as cotoveladas no ‘ground and pound’.

Assim como rival, Jim Miller também é um especialista no jogo de chão. Guilhotinas, mata leões, triângulos e chaves de braço fazem parte do arsenal que também é simples, mas de muita eficiência. Na trocação, o jogo de Miller é construído no boxe. A parte técnica é até regular, as mãos são rápidas e principalmente muito pesadas. O jogo de quedas não é das melhores, mas pode receber aí uma nota entre 6 e 7. O ponto fraco é a defesa de quedas e o preparo físico. A defesa de quedas até que não é tão preocupante, uma vez que o lutador se garante também jogando por baixo. Já o preparo físico é realmente algo a se preocupar, podendo inclusive fazer a luta acabar se decidindo em favor de Lauzon.

Miller tem o jiu jitsu tão afiado que com essa chave de joelho é o primeiro e único lutador a finalizar Charles Do Bronx (Foto: Reprodução/ YouTube)

Miller tem o jiu jitsu tão afiado que com essa chave de joelho é o primeiro e único lutador a finalizar Charles Do Bronx (Foto: Reprodução/ YouTube)

Normalmente quando há dois lutadores especialistas em jiu jitsu, boa parte das pessoas tende a crer que a luta se desenrolará no chão. No entanto, historicamente acabamos vendo que isso não ocorre. A luta acaba ficando na trocação mesmo. Quando um dos dois começa a tomar muito atraso, aí sim tenta levar a luta para o solo, pra ver se a situação por lá melhora. Na trocação, Miller leva uma pequena vantagem. Tem um boxe tecnicamente melhor, mais as mãos são mais potentes e vez ou outra coloca uma joelhada marota. Lauzon é inferior tecnicamente, mas não tanto assim, suficiente para conseguir surpreender Jim, principalmente disparando suas perigosas cotoveladas. Ambos não tem o jogo de quedas afiado, nem na parte ofensiva e nem defensiva, e com certeza caso busquem a luta no solo, buscarão também cair por cima, afinal não é muito vantajoso cair por baixo quando seu oponente é alguém que entende muito de “arte suave”. O preparo físico é um fator que pode ser fundamental para a decisão do combate. Lauzon pode não ter um grande preparo físico, mas tem mostrado-se muito melhor do que o de Miller ultimamente.

Palpite: Se a luta se estender até o final dos 3 rounds, Lauzon pode até conseguir um nocaute, caso Miller esteja muito exaurido. No entanto, acredito que Miller ganhe os dois primeiros rounds e sobreviva no terceiro, vencendo então por decisão unânime.

(Foto: Divulgação/ UFC)

(Foto: Divulgação/ UFC)

UFC on Fox 21: Maia vs Condit

27 de agosto, Rogers Arena, Vancouver, Columbia Britânica, Canadá

CARD PRINCIPAL

Meio Médios: Demian Maia vs Carlos Condit
Penas: Anthony Pettis x Charles do Bronx
Palhas Femininos: Paige Vanzant x Bec Rawlings
Leves: Jim Miller x Joe Lauzon

CARD PRELIMINAR

Médios: Sam Alvey x Kevin Casey
Leves: Jeremy Kennedy x Alex Ricci
Penas: Enrique Barzola x Kyle Bochniak
Leves: Shane Campbell x Felipe Silva
Leves: Chad Laprise x Thibault Gouti
Médios: Garreth McLellan x Alessio Di Chirico
Galos: Marlon Vera x Ning Guangyou
Médios: Ryan James x Adam Hunter



IBlackbelt
Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

3 × 4 =

RELACIONADO POR