Prévia e análise do UFC 201: Lawler vs Woodley

O campeão meio médio coloca seu cinturão em jogo contra um adversário que vem sendo taxado de não merecedor; um 'co-main event' onde a vencedora pode ser a próxima desafiante ao título dos palhas; uma luta em que a derrota pode causar a demissão de um veterano do Ultimate
(Foto: Getty Images)

Neste sábado, 30, tem o UFC 201: Lawler vs Woodley. Na luta principal, Robbie ‘ruthless’ Lawler coloca seu cinturão dos meio médios em jogo e enfrenta o desafiante Tyron ‘the choose one’ Woodley. Na luta co-principal, pela categoria peso palha, Rose Namajunas enfrenta a polonesa Karolina Kowalkiewicz. O card principal tem ainda Jake Ellenberger vs Matt Brown, Francisco Rivera vs Erik Perez e Ryan Benoit vs Freddy Serrano. No card preliminar, teremos Nikita Krylov, Jorge Masvidal, Ross Pearson e o único brasileiro do evento, Wilson Reis. Confira agora a prévia e a análise do que de melhor pode acontecer em mais um grande evento do Ultimate Fighting Championship.

Luta Principal- Meio Médios – Robbie Lawler vs Tyron Woodley



Robbie Lawler é o campeão temido e destemido,que faz as lutas mais empolgantes da atualidade e tem se mostrado grande merecedor do posto que ocupa, o de rei dos meio médios. Agora ele enfrenta um adversário que convive com o ‘status’ de não ser um merecedor do ‘tittle shot’, mas que está louco para chocar o mundo.

(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

Robbie ‘ruthless’ Lawler é atleta da American Top Team, possui 34 anos, e um cartel com 38 lutas, 27 vitórias (20 nocautes, 1 finalização e 6 por decisão), 10 derrotas (1 nocaute, 5 finalização e 4 por decisão) e 1 ‘no contest’. É profissional de MMA desde 2001. Pelo UFC são 16 lutas, 12 vitórias e 4 derrotas. Sua última luta foi contra Carlos Condit no UFC 195, quando saiu vencedor por decisão dividida. Já foi campeão peso médio do Superbrawl, Icon Sport e Elite XC, e é o atual campeão meio médio do UFC, com duas defesas de cinturão bem sucedidas e consecutivas. Foi ganhador de 5 bônus do UFC, sendo 4 de “luta da noite” e 1 de “nocaute da noite”. Recebeu prêmio de “nocaute do ano 2010” pelo Sherdog. No MMA World Awards, o “Oscar do MMA”, recebeu o prêmio de “lutador do ano 2014”, “luta do ano 2014” (Lawler vs Hendricks no UFC 171), “luta do ano 2015” (Lawler vs Rory MacDonald no UFC 189). Provavelmente será o vencedor do prêmio de “luta do ano 2016” pelo combate épico que fizera contra Carlos Condit no UFC 195, o primeiro evento realizado neste ano.

Tyron ‘the choose one’ Woodley é atleta da American Top Team, possui 34 anos e um cartel com 18 lutas, 15 vitórias (5 nocautes, 5 finalizações e 5 por decisão) e 3 derrotas (1 nocaute e 2 por decisão). É profissional de MMA desde 2009. Pelo UFC são 7 lutas, 5 vitórias e 2 derrotas. Sua última luta foi contra Kelvin Gastelum no UFC 183, quando saiu vencedor por decisão dividida. Já foi desafiante ao cinturão meio médio do Strikeforce. Já foi ganhador de 2 bônus do UFC, sendo 1 de “nocaute da noite” e 1 de “performance da noite”.

(Foto: Reprodução/ Sherdog)

Lawler fazendo seu jogo contra Condit, encurtando e golpeando (Foto: Reprodução/ Sherdog)

Lawler é um dos ‘strikers’ mais perigosos de todo o MMA. Utiliza muito bem o boxe, tem as mãos rápidas e bem pesadas. Não é de aplicar tantos chutes, joelhadas e muito menos cotoveladas, mas isso não o torna menos perigoso, muito pelo contrário. Mesmo com ‘background’ no wrestling, Lawler não costuma aplicar as quedas, apenas utiliza suas habilidades para se defender de quem quer levá-lo para o jogo de chão. Além da técnica apuradíssima, o campeão ainda tem um muito bom preparo físico e um “queixo de aço”. O ponto fraco de ‘ruthless’ é mesmo o jiu jitsu. Metade das derrotas dele é por meio de finalizações (5 de 10).

Woodley também tem ‘background’ no wrestling, tendo sido campeão no ensino médio, ‘all american’ por duas vezes e que obteve mais de 100 vitórias na modalidade. Apesar de toda essa base, tem preferido manter a luta em pé. A técnica é um tanto inferior a de Lawler, mas são também muito pesadas e velozes. Outra grande qualidade do lutador é a explosão, um arranque inicial fulminante que já foi responsável por derrubar alguns vários adversários. Além disso, é faixa marrom de ‘brazilian jiu jitsu’. O ponto fraco de Woodley é o preparo físico. Com a explosão e a força sendo um ponto forte, a medida que o combate vai se estendendo, ‘the choose one’ vai se cansando.

Woodley acertando o chute com explosão e muita potência (Foto: Getty Images)

Woodley acertando o chute com explosão e muita potência (Foto: Getty Images)

Dois atletas vindo do wrestling que hoje tem preferido manter o combate na trocação, estes são Lawler x Woodley. Os dois possuem suas boas armas para vencer. Ambos começam suas lutas com “motor em giro alto”, mas Woodley leva essa vantagem inicial por ser mais explosivo. No entanto, o “queixo de aço” do campeão pode complicar as coisa e fazer com que a luta acabe se estendendo, o que faz com que as coisas vá ficando mais difíceis para o desafiante. A medida que Woodley vai caindo de produção com o passar da luta, Lawler vai crescendo, tanto que o 5º round é onde ele costuma se apresentar melhor. Para Woodley, a grande vantagem é mesmo buscar o chão e tentar aplicar seu jiu jitsu. Nessa área, sua faixa marrom pode fazer a diferença, principalmente se lembrarmos que o campeão não tem lá uma boa habilidade. O grande problema vai ser conseguir derrubar, já que Robbie defende muito bem as quedas, e quando ainda é derrubado, consegue se levantar rapidamente. A luta promete, mas ainda assim Lawler tem uma boa margem de favoritismo, tendo inclusive grande chance de nocautear se caso a luta passar do 3º round.

Palpite: Lawler vence por nocaute no 3º round

Luta co-principal – Palhas Femininos – Rose Namajunas vs Karolina Kowalkiewicz

Rose Namajunas já teve uma oportunidade de ser a campeã da categoria. Agora ela quer impôr o primeiro revés da carreira da polonesa para assim ganhar uma nova chance de lutar pelo título. Só que Karolina não está disposta a permitir uma “mancha” em seu cartel, e de quebra quer também garantir uma oportunidade de disputar a cinta contra a sua compatriota que é a atual campeã da divisão.

(Foto: Getty Images)

(Foto: Getty Images)

Rose ‘thug’ Namajunas é atleta da The Academy, possui 24 anos e um cartel com 7 lutas, 5 vitórias (4 finalizações e 1 por decisão) e 2 derrotas (1 finalização e 1 por decisão). É profissional de MMA desde 2013. Pelo UFC são 4 lutas, 3 vitórias e 1 derrota. Sua última luta foi contra Tecia Torres no UFC on Fox 19, quando saiu vencedora por decisão unânime. Participou do TUF 20, onde foi definida primeira campeão peso palha do Ultimate, e foi vice campeã. Já recebeu bônus do UFC, sendo ele de “performance da noite”. Em abril de 2013, na sua segunda luta como profissional, Namajunas finalizou Kathina Catron com um ‘armlock’ voador aos 0:12 de luta pelo Invicta FC 5. Essa finalização foi eleita a “finalização do ano 2013” em todos os maiores sites especializados de MMA no mundo.

Karolina Kowalkiewicz é atleta da Top Team Lodz, possui um cartel perfeito, 9 lutas e 9 vitórias (1 nocaute, 2 finalizações e 6 por decisão). É profissional de MMA desde 2012. Pelo UFC são 2 lutas e 2 vitórias. Sua última luta foi contra Heather Jo Clark no UFC Fight Night 87, quando saiu vencedora por decisão unânime. Já foi campeã peso mosca do KSW.

(Foto: Reprodução)

Namajunas castigou Vanzant no ‘ground and pound’ e depois finalizou (Foto: Reprodução)

Namajunas é faixa preta de karatê e taekwondo, tem uma boa dose de agressividade, assim como a maioria das lutadoras, mas seu cartel fala por si só, e mostra que seu estilo mesmo é colocar o jiu jitsu em prática, modalidade onde ela possui a faixa azul. O ponto fraco de Namajunas acaba sendo na trocação, onde ela dá boas brechas para as oponentes golpeá-la no rosto.

Kowalkiewicz é especialista em krav maga e muay thai. Já foi campeã de torneios de muay thai e já trabalhou como instrutora de krav maga. A polonesa faz parte de um grupo que prefere aplicar muitos golpes com pouco potência, e assim vai “minando” o adversário. Trabalha muito bem os socos em linha reta, fazendo sequências que termina com chutes geralmente na cabeça. Também sabe trabalhar excelentemente enquanto está caminhando para trás, surpreendendo as oponentes. As joelhadas no ‘clinch’ também fazer parte do jogo apresentado por ela. No chão, Karolina se vira bem. Mas seu ponto mais forte talvez seja mesmo o preparo físico, e isso somado ao seu estilo de mais golpes com menos potência acaba sendo o responsável pela maioria absoluta de suas vitórias acabarem por decisão. Um ponto fraco de Karolina é também na trocação. Quanto maior o número de golpes para atacar, maior é a brecha para que o oponente possa surpreendê-lo no contra-ataque, e isso fica bem visível quando se assiste as lutas da polonesa.

Karolina na sua especialidade, disparando uma sequência de golpes em linha reta (Foto: Reprodução/ UFC)

Karolina na sua especialidade, disparando uma sequência de golpes em linha reta (Foto: Reprodução/ UFC)

A luta entre Rose x Karolina será o velho confronto de estilos de striker vs grappler, cada um querendo deixar a luta no local onde se sente mais seguro. Na trocação, a vantagem é da polonesa. No entanto, Namajunas não é uma lutadora que se acua e nem que deixa as adversárias muito soltas. Costuma caminhar o tempo todo pra frente, sem dar muito espaço. Mas isso também pode ser ótimo para Karolina, que como já foi dito logo acima, sabe muito bem trabalhar os golpes enquanto caminha para trás. No chão, apesar de até saber trabalhar, melhor a polonesa evitar, porque mesmo que não consiga finalizar, a americana sabe trabalhar bem o ‘ground and pound’.

Palpite: Rose Namajunas vence por decisão unânime, impondo a primeira derrota da lutadora polonesa.

Meio Médios – Matt Brown vs Jake Ellenberger

Matt Brown já teve uma bela sequência de 7 vitórias consecutivas, só que agora possui apenas 1 vitória nas últimas 4 lutas, e quer voltar ao caminho das vitórias mais que rapidamente. Só que o adversário de Brown, Jake, também vem de uma fase complicada, com apenas 1 vitória nas últimas 6 lutas, e uma derrota hoje pode por fim ao contrato com o UFC, algo que muito provavelmente não é de seu desejo.

(Foto: Reprodução SB Nation)

(Foto: Reprodução SB Nation)

Matt ‘the immortal’ Brown é atleta da Team Jorge Gurgel, possui 35 anos e um cartel com 34 lutas, 20 vitórias (12 nocautes, 6 finalizações e 2 por decisão) e 14 derrotas (10 finalizações e 4 por decisão). É profissional de MMA desde 2005. Pelo UFC são 21 lutas, 13 vitórias e 8 derrotas. Sua última luta foi contra Demian Maia no UFC 198, quando acabou sendo derrotado por finalização aos 4:31 do 3º round. Já foi campeão meio médio do ISCF. Foi ganhador de 4 bônus do UFC, sendo 2 de “luta da noite”, 1 de “nocaute da noite” e 1 de “performance da noite”. 

Jake ‘the juggernaut’ Ellenberger é atleta da Kings MMA, possui 31 anos e um cartel com 41 lutas, 30 vitórias (18 nocautes, 6 finalizações e 6 por decisão) e 11 derrotas (3 nocautes, 2 finalizações e 6 por decisão). É profissional de MMA desde 2005. Pelo UFC são 15 lutas, 8 vitórias e 7 derrotas. Sua última luta foi contra Tarec Saffiedine no UFC on Fox 18, quando saiu derrotado por decisão unânime. Já foi ganhador de 4 bônus do UFC, sendo 2 de “nocaute da noite”, 1 de “luta da noite” e 1 de “performance da noite”. 

Matt Brown vs Erick Silva

Matt Brown não gosta exatamente de lutar, na verdade ele gosta de transformar suas lutas em verdadeiras guerras. Tem queixo duro, excelente preparo físico e uma mão bem pesada. Tudo isso faz dele um grandes desafios da divisão. Gosta de pressionar os adversários na grande, onde trabalha muito bem as cotoveladas no ‘clinch’. Seu ponto fraco é mesmo no jiu jitsu, onde possui a grande maioria absoluta de suas derrotas (10 de 14).

Jake Ellenberger é um lutador mais técnico do que Brown. Aplica boas quedas, trabalha bem o jogo de jiu jitsu, mas seu ponto forte é mesmo a trocação, principalmente a parte de boxe, onde tem muito boa técnica e as mãos pesadas. O maior ponto fraco de Ellenberger no momento talvez seja a falta de confiança. O lutador vem de 5 derrotas nas últimas 6 lutas, sendo 2 nocautes e 1 finalização. 

(Foto: Reprodução)

(Foto: Reprodução)

Essa luta tem tudo para ser insana, numa trocação franca. Brown gosta de transformar as lutas em guerra, e Jake, apesar de mais técnico, também não é lá muito de ficar comedido não. O queixo forte e o preparo físico excelente de ‘the immortal’ garantem pra ele um favoritismo. Se o pupilo de Rafael Cordeiro quiser encaminhar melhor uma vitória, a opção é colocar o adversário para baixo e trabalhar o ‘ground and pound’, assim pode garantir a vitória por pontos ou quem sabe até conseguir com que Brown abra uma brecha e assim termine mais uma vez sendo finalizado. Combate muito bom, pode até ser o melhor da noite.

Palpite: Matt Brown vence por nocaute no 3º round

UFC 201: Lawler vs Woodley

30 de julho, Philips Arena, Atlanta, Georgia, EUA

CARD PRINCIPAL

Meio Médios: Robbie Lawler vs Tyron Woodley
Palhas Femininos: Rose Namajunas vs Karolina Kowalkiewicz
Meio Médios: Matt Brown vs Jake Ellenberger
Galos: Francisco Rivera vs Erik Perez
Moscas: Ryan Benoit vs Fredy Serrano

CARD PRELIMINAR

Meio Pesados: Nikita Krylovs vs Ed Herman
Meio Médios: Ross Pearson vs Jorge Masvidal
Pesados: Anthony Hamilton vs Damian Grabowski
Moscas: Wilson Reis vs Hector Sandoval
Meio Médios: Michael Graves vs Bojan Velickovic
Leves: Cezar Arzamendia vs Damien Brown



Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

15 + cinco =

RELACIONADO POR