Prévia e palpites para UFC 207: Nunes vs Rousey

Em seu retorno após a perda do cinturão, Ronda terá que estar muito bem preparada para segurar a pressão da lutadora mais brutal do peso galo feminino do Ultimate, Amanda Nunes; No 'co-main event', Cruz coloca o cinturão em jogo e enfrenta o adversário mais brutal de sua carreira, Cody 'no love' Garbrandt
(Foto: Evelyn Rodigues)

Nesta sexta feira, 30, acontece o UFC 207: Amanda vs Rousey, o último evento do Ultimate no ano. O evento traz a atual campeã peso galo feminino, a brasileira Amanda ‘the lioness’ Nunes, fazendo sua primeira defesa de cinturão, contra ninguém menos do que a ex campeão Ronda ‘rowdy’ Rousey. No ‘co-main event’ teremos ainda o campeão peso galo Dominick ‘dominator’ Cruz defendendo seu cinturão contra Cody ‘no love’ Garbrandt. No card principal tem ainda o ex campeão peso galo TJ Dillashaw enfrentando o brasileiro John ‘hands of stone’ Lineker, o sul coreano Dong Hyun Kim enfrentando o belga ex campeão do Strikeforce, Tarec Saffiedine, e o duelo de pesos moscas Ray Borg vs Louis Smolka. No card preliminar temos ainda o ex campeão meio médio Johnny ‘big rigg’ Hendricks, Neil Magny, Mike Pyle, Brandon Thatch e os brasileiros Antônio Carlos “cara de sapato” e Alex ‘cowboy’ Oliveira.
Confira agora mais uma análise e palpites de mais um evento do Ultimate que promete ser histórico.

Luta Principal – Peso Galo Feminino – Disputa de título – Amanda Nunes vs Ronda Rousey



(Foto: Evelyn Rodigues)

(Foto: Evelyn Rodigues)

Amanda ‘lioness’ Nunes, 28 anos e um cartel com 17 lutas, 13 vitórias (9 nocautes, 3 finalizações e 1 por decisão) e 4 derrotas (2 nocautes, 1 finalização e 1 por decisão). ‘Lioness’ chegou ao UFC em 2013 e desde então foi fazendo uma rápida escalada rumo ao topo. Foram 5 vitórias em 6 lutas, sendo 3 de forma consecutiva, até ganhar o ‘tittle shot’. No histórico UFC 200, ela colocou seu nome na história. A brasileira fez a luta principal contra a campeã da categoria, Miesha Tate, e simplesmente atropelou. Após acertar vários socos brutais na então campeã, Amanda terminou finalizando-a com um “mata leão” aos 3:16 do 1º round, se tornar a primeira brasileira a ser campeã do Ultimate.

Ronda ‘rowdy’ Rousey, 29 anos e um cartel com 12 vitórias (3 nocautes e 9 finalizações) e 1 derrota (nocaute). Após construir uma bela carreira no judô, conquistando inclusive uma medalha de bronze nas Olimpíadas de Pequim em 2008, Ronda partiu rumo ao MMA. Se tornou a campeã do Strikeforce, e depois de belas apresentações fez inclusive o presidente Dana White mudar de ideia – Dana já tinha dito que mulheres nunca lutariam pelo UFC – e contratá-la. Se tornou campeã do Ultimate e defendeu o cinturão em 6 oportunidades, até que em novembro de 2015, em Melbourne, Austrália, diante de 56 mil pessoas (maior público presente da história da Organização) ela conheceu pela primeira vez o gosto amargo da derrota. Após tomar uma surra durante todo o 1º round, acabou sendo nocauteada com um chute avassalador na cabeça antes de completar o 1º minuto do 2º round. Foi o fim de uma era. Desde então, cogitou-se até que a ex campeã nunca mais voltaria a lutar, mas aí está ela novamente.

O rosto de Miesha Tate ficou bem estragado pelos golpes de Amanda (Foto: Reprodução)

O rosto de Miesha Tate ficou bem estragado pelos golpes de Amanda (Foto: Reprodução)

Amanda Nunes é um ‘striker’ de alto nível, dona de mãos pesadíssimas, algo não tão fácil de ser encontrado entre as mulheres, e que graças a isso tem um cartel com uma quantidade altíssima de nocautes. Além da parte de trocação, a baianinha ainda é faixa preta de jiu jitsu e marrom de judô. Seu ponto fraco é o preparo físico. Com a força muito grande aplicada em seus golpes, ela costuma cansar bastante com o passar da luta. Na luta contra Valentina Shevchenko, primeira e única luta que fora vencida por ela por decisão dos juízes, ficou bastante claro, quando no 3º round acabou levando um pequeno atraso porque o gás já tinha ido embora.

Ronda Rousey é uma ‘grappler’ de alto nível, um judô mais do que refinado e bem adaptado ao MMA, e uma chave de braço letal, golpe que fora usado em todas as vezes que finalizou adversárias na carreira (9). Seu ponto fraco é a trocação e a movimentação, algo ficou claro em sua última luta. Em boa parte da luta contra Holly, buscou agarrar a adversária para tentar seu jogo de ‘grappling’, até chegou a conseguir derrubar uma vez, mas Holly defendeu bem a tentativa de “chave de braço”. Após isso, não conseguiu mais nada. A falta de habilidade na trocação não permitiu que Ronda conseguisse se aproximar e fazer seu jogo.

Ronda pegou as costas de Zingano e poderia ir para o mata leão, mas com boa judoca, tirou uma chave de braço e finalizou em 14 segundos de luta (Foto: Reprodução)

Ronda pegou as costas de Zingano e poderia ir para o mata leão, mas com boa judoca, tirou uma chave de braço e finalizou em 14 segundos de luta (Foto: Reprodução)

A luta entre Amanda x Ronda será o velho clássico entre ‘striker vs grappler’. Ronda buscará a todo custo agarrar a brasileira e colocar a luta para baixo, não irá se arriscar a trocar socos com alguém como a campeã, e se isso fizer, será suicídio. Por sua vez, mesmo também tendo especialidade no judô e no jiu jitsu, Amanda muito provavelmente não irá se arriscar num jogo de luta agarrada com a americana, tentará manter a luta em pé e usar suas mãos brutais para fazer a ex campeã provar novamente do amargo gosto da derrota.

Palpite: Amanda Nunes vence por nocaute no 1º round.

Luta Co-Principal – Peso Galo Feminino – Dominick Cruz vs Cody Garbrandt

Os lutadores quase começaram a luta na pesagem (Foto: Evelyn Rodrigues)

Os lutadores quase começaram a luta na pesagem (Foto: Evelyn Rodrigues)

Dominick ‘Dominator’ Cruz, 31 anos e um cartel com 23 lutas, 22 vitórias (7 nocautes, 1 finalização e 14 por decisão) e 1 derrota (finalização). Cruz foi campeão peso galo do WEC e depois se tornou campeão da mesma categoria pelo UFC. Era um dos melhores – senão o melhor – lutador do mundo, quando começou a ter problemas com lesões nos joelhos. Chegou a ficar praticamente 3 anos sem lutar por conta disso – faltou apenas 3 dias para completar 3 anos – e assim perdeu seu cinturão peso galo. Enfrentou Takey Mizugaki e o nocauteou no 1º round. Após esse combate, ficou mais cerca de 1 ano e meio sem entrar em ação por conta de novo problema de lesão no joelho. Retornou em janeiro de 2016 já vencendo o então campeão TJ Dillashaw e recuperando seu posto de campeão. Fez sua última luta em junho deste ano, no UFC 199, vencendo Urijah Faber, fechando a trilogia (Faber é o responsável pela única derrota de Dominick até hoje, na 1ª luta entre eles. Os dois lutaram mais duas vezes, e Cruz saiu vencedor em ambas).

Cody ‘No Love’ Garbrandt, 25 anos e um cartel com 10 lutas, 10 vitórias (9 nocautes e 1 por decisão). Antes de chegar ao MMA, Cody chegou a ter um cartel de 32-1 no boxe amador. Se tornou profissional em 2012. Após conquistar 5 vitórias, todas por nocaute técnico, chegou ao UFC em 2015. Pelo UFC são 5 lutas, 5 vitórias, 4 nocautes, e finalmente a chance pelo disputa de título.

Dominick mostrando todo seu 'footwork', entrando e saindo sem ser golpeado (Foto: Esther Lin)

Dominick mostrando todo seu ‘footwork’, entrando e saindo sem ser golpeado (Foto: Esther Lin)

Dominick Cruz é considerado por muitos o lutador com o melhor ‘footwork’ do MMA mundial – pode-se colocar ai ao lado de Demetrious Johnson. Com um preparo físico fora do comum, uma movimentação absurda e pouco ortodoxa, excelente sequencias de socos terminadas com chutes, muito bom wrestling ofensivo e muito boa defesa de quedas, tudo isso faz de Cruz um lutador quase perfeito. Como ponto fraco de Cruz, podemos citar sua defesa nos momentos em que ataca. Com muitas sequências de socos e golpes de vários ângulos diferente, o campeão acaba ficando um tanto exposto em seus ataques. Como Garbrandt é um ex pugilista, tem um boxe de muita qualidade, mãos rápidas e pesadíssimas, isso pode acabar sendo letal caso consiga encaixar um golpe de contra-ataque.

Cody Garbrandt é um ‘striker’ agressivo e brutal. As mãos pesadas são suas principais armas. Apesar da preferência pelo combate na trocação, Cody também tem gabarito no wrestling, sendo inclusive campeão estadual e ‘all-american’ da modalidade. Como costuma acabar suas lutas bem cedo – 7 de suas 10 vitórias foram conquistadas no 1º round – é complicado falar sobre seu ponto fraco, mas o desafiante ao cinturão gosta das lutas na trocação franca, não gosta de se movimentar tanto assim, e gosta de atacar usando a explosão. Com essa característica de ser um lutador explosivo e que usa bastante a força, é provável que ‘No Love’ perca o gás por volta do 3º round, e se isso acontecer de fato, o campeão sobrará dentro do ‘cage’.

Explosão, boxe e mãos pesadas, a combinação de Cody Garbrandt (Foto: Reprodução)

Explosão, boxe e mãos pesadas, a combinação de Cody Garbrandt que quebrou Thomas Almeida  (Foto: Reprodução)

Os dois lutadores são tidos como completos, mas tem uma preferência maior pela trocação, cada um no seu estilo. Cody mais paradão, esperando o momento oportuno para usar a explosão e as mãos pesadas. Por sua vez, Cruz se movimenta bem mais, angula os golpes, utiliza o ‘footwork’, ataca de todo lado. Um busca o nocaute, o outro vai pontuando, abrindo espaços para quem sabe achar um nocaute. No ‘grappling’, Cruz já é bem conhecido e reconhecido pela sua capacidade, enquanto Cody ainda não foi testado e nem busco essa área no MMA. Os dois lutadores se provocaram bastante durante esse tempo, a rivalidade Cruz vs Team Alpha Male está bem aflorada, os dois lutadores inclusive quase começaram a luta já na pesagem.
Só pra lembrar, Cruz já enfrentou 5 vezes os lutadores da equipe de Faber, vencendo 4 e perdendo apenas 1 – isso sem contar TJ Dillashaw, que se tornou campeão do Ultimate pela equipe Alpha Male, mas saiu da equipe antes de enfrentar Dominick. 

Palpite: Dominick Cruz vence por decisão unânime

Poster oficial do ufc 207

UFC 207: Nunes vs Rousey

30 de dezembro, T-Mobile Arena, Paradise, Nevada, EUA

CARD PRINCIPAL

Galos Femininos: Amanda Nunes vs Ronda Rousey
Galos: Dominick Cruz vs Cody Garbrandt
Galos: TJ Dillashaw vs John Lineker
Meio Médios: Dong Hyun Kim vs Tarec Saffiedine
Moscas: Louis Smolka vs Ray Borg

CARD PRELIMINAR

Meio Médios: Johnny Hendricks vs Neil Magny
Médios: Antônio Carlos “cara de sapato” vs Martin Vettori
Meio Médios: Mike Pyle vs Alex Garcia
Meio Médios: Brandon Thatch vs Niko Price
Meio Médios: Alex Oliveira vs Tim Means



Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

16 − três =

RELACIONADO POR