Resumo TUF 25 Finale: Johnson vs Gaethje

Evento teve de tudo. Melhor luta do ano até o momento, lutas ruins, nocautes, finalizações.
(Foto: Divulgação/ UFC)

Nesta sexta feira, 7, aconteceu o TUF 25 Finale, evento que acabara sendo ofuscado pelo UFC 213. O evento terminou agora a pouco, e o Nocaute na Rede faz agora um resumão sobre o que aconteceu de melhor nas principais lutas da noite.

Quase liquidando a fatura, Gaethje acertou esse upper que quase arrancou a cabeça de Johnson do corpo (Foto: Getty Images)

Na luta principal, Michael Johnson, 5º no ranking, enfrentou o estreante no UFC, Justin Gaethje, ex campeão do extinto WSOF, que agora se tornou PFL. 
O combate foi espetacular. Começou a mil hora, com uma trocação franca, chumbo trocado, tiro pra todo lado. Johnson percebeu que estava na desvantagem, então resolveu se afastar e controlar melhor a luta. ‘The Menace’ buscava a movimentação, ia movimentando e circulando, mas Gaethje não dava espaço, ficava em cima o tempo todo, buscando a trocação aberta. Justin ia levando vantagem, até que no final do 1º round, tomou um upper e dobrou os joelhos, quase indo a ‘knockdown’. MJ tentou se aproveitar, foi pra cima, derrubou o oponente, mas já era tarde, fim de round. No 2º round, Johnson voltou a fazer Gaethje sentir, parecia que iria conquistar a vitória por nocaute, mas o ex-WSOF resistiu. Justin se mostrava um guerreiro, já estava esgotado, respirando fundo pela boca, mas não desistia, continuava caminhando pra frente. Numa dessa, conseguiu acertar MJ, o oponente sentiu, Gaethje sentiu o “cheiro de sangue”, foi lá e liquidou a fatura na base das joelhadas. Vitória por nocaute técnico aos 4:48 do 2º round. Estreia espetacular de Gaethje, que venceu um top 5 já em sua primeira luta na Organização numa performance sensacional, e ainda conseguindo se manter invicto na carreira, agora com 18 vitórias em 18 lutas como profissional, sendo 15 por nocaute.



Antes da finalização, Taylor tentou 3 vezes o mata leão, chegando nessa mesma posição em todas (Foto: Getty Images)

No ‘co-main event’ da noite, tivemos a final do TUF 25. O brasileiro Dhiego Lima chegando a sua 2ª decisão, assim como seu adversário Jesse Taylor (Taylor chegou à final da 7ª edição do TUF, mas acabou não lutando por conta de uma série digamos de mau comportamento extra cage). Taylor logo de início partiu pra cima, grudando no brasileiro como um carrapato, mantendo-se assim durante todo o 1º round. Por 3 vezes ainda tentou pegar Dhiego no mata leão, mas não conseguindo encaixar o golpe. No 2º round, veio pra cima com o mesmo ímpeto, mas num momento de trocação mais aberta, acabou tomando um soco do brasileiro no queixo, e indo a ‘knockdown’. Dhiego foi pra cima com tudo, querendo acabar com a luta, mas de forma bem displicente, o que acabou lhe custando caro. Lima ficou nas costas de Jesse, porém mal posicionado, e acabou sendo dali tirado. Rapidamente, foi Jesse Taylor quem pegou as costas do brasileiro, foi para o mata leão e dessa vez não perdeu o golpe. Vitória por finalização aos 0:43 do 2º round, conseguindo dessa vez o título do TUF e de quebra levando pra casa um cheque de US$ 290 mil.

No confronto entre a plasticidade vs objetividade, a objetividade levou a melhor (Foto: Getty Images)

Na antepenúltima luta da noite, pelos pesos leves, o inglês Marc Diakiese enfrentou o americano Drakkar Klose, no confronto de invictos. Desde o início, era o criativo e irreverente Diakiese contra o objetivo Klose. Diakiese buscava dar um show, com golpes plásticos, lindos de se ver, e também muito perigosos para seu adversário. Drakkar buscava o jogo mais eficiente, golpes “feijão com arroz” mesclado com luta agarrada, ingredientes simples, mas que funcionavam. No final do 1º round, Klose aplicou um ‘low kick’ que fez Diakiese sentir, ir ao chão por não conseguir se equilibrar. Isso foi basicamente o que fez o lutador inglês acabar sendo derrotado. Com o pé lesionado, Marc diminuiu o ritmo. Ainda arriscava alguns golpes plásticos, tinha momentos perigosos, mas já não eram com a mesma frequência que de costume. Durante a luta, Klose ainda acertou mais uns 2 ‘low kicks’ na mesma perna, que fizeram Marc sentir mais ainda, e inclusive lutar o 3º round praticamente inteiro na base de canhoto, escondendo a perna lesionada. No final, vitória de Drakkar Klose por decisão dividida (29-28/29-29/29-28), que conseguiu manter sua invencibilidade e de quebra tirar a de Marc Diakiese. O ponto negativo foi na entrevista pós luta ainda dentro do octógono, quando Klose disse que todos os ingleses eram vagabundos.

Cannonier venceu o duelo sem maiores dificuldades (Foto: Getty Images)

Na 3ª luta da card principal, pelos meio pesados, o bom e perigoso Jared Cannonier enfrentou um estreante no UFC, Nick Roehrick. Além de ser estreante no Ultimate, Nick também fora chamado de última hora, e de quebra já chegou enfrentou uma verdadeira pedreira. Desde o início, Jared foi pra cima, parecia querer encerrar o confronto o quanto antes. Acertava socos potentes, limpos e brutais no rosto de Roehrick, mas o estreante insistia em não cair. A luta foi se estendendo, e Nick ia basicamente buscando apenas sobreviver, porque de jeito algum conseguia dar algum perigo para Cannonier. No 3º round, se repetia o que acontecera nos dois anteriores, Jared em cima, batendo e acertando, enquanto Nick só apanhava, aguentava e buscava não ser nocauteado. Quase na metade do 3º round, Cannonier decidiu mudar de nível, agarrou o oponente e jogou a luta para o solo. Após aplicar algumas cotoveladas, o árbitro ‘Big’ John McCarthy resolveu interromper. Roehrick ainda poderia lutar, mas já havia apanhado demais no confronto, e aí prevaleceu o bom sendo. Vitória de Jared Cannonier por nocaute técnico aos 2:08 do 3º round. Foi a 1ª derrota de Nick na carreira, que até então tinha 7 lutas e 7 vitórias.

Lutadores se movimentaram bastante, mas luta foi bem morna (Foto: Getty Images)

Na segunda luta do card principal, o americano Brad Tavares enfrentou o canadense Chad Laprise. A luta foi bem movimentada, mas não digamos “quente”. os dois se revezaram em bons momentos. Laprise aplicava bons chutes na cabeça, mas que paravam nos bloqueios de Tavares. Por sua vez, o americano em determinado momento quase conseguiu finalizar com um mata leão. No final, vitória para Brad Tavares por decisão unânime (triplo 29-28).

Johnson x Fortuna não empolgaram o público local (Foto: Getty Images)

Na abertura do card principal, o brasileiro Marcel Fortuna enfrentou o americano Jordan Johnson. Na estreia, Marcel pegou uma luta de última hora, encarou um oponente da categoria de cima e na categoria de cima, peso pesado, pesou 20 kg a menos que o adversário, e no final saiu vencedor, e ainda por nocaute, o 1º em sua carreira que até então tinha um cartel de 9 lutas, 8 vitórias, 5 finalizações e 3 por decisão. Baseado nessa estreia, a galera apostava em uma nova grande performance do “Mãozinha”, mas não foi bem isso o que aconteceu. O adversário era até bem menos de qualidade do que o anterior, Anthony Hamilton, mas a mão não entrou. Os dois fizeram um duelo em quase que sua total duração na trocação, porém foi bem morno. Marcel acertou bons ‘low kicks’, e poderia ter investido mais para conquistar a vitória, mas também por algumas vezes “cantou” o golpe, e quase fora pego nos contra-ataques. No final, vitória de Jordan Johnson por decisão unânime (triplo 29-28).

RESULTADOS DO TUF 25 FINALE

Card Principal

Leves: Justin Gaethje nocauteou Michael Johnson aos 4:48 do 2º round;
Meio Médios: Jesse Taylor finalizou Dhiego Lima aos 0:43 do 2º round;
Leves: Drakkar Klose venceu Marc Diakiese por decisão dividida (29-28/29-29/29-28);
Meio Pesados: Jared Cannonier nocauteou Nick Roehrick aos 2:08 do 3º round;
Médios: Brad Tavares venceu Elias Theodorou por decisão unânime (triplo 29-28);
Meio Pesados: Jordan Johnson venceu Marcel Fortuna por decisão unânime (triplo 29-28);

Card Preliminar

Palhas: Angela Hill venceu Ashley Yoder por decisão unânime (triplo 30-27);
Meio Médios: James Krause venceu Tom Gallicchio por decisão unânime (triplo 30-27);
Médios: CB Dollway venceu Ed Herman por decisão unânime (triplo 29-28);
Palhas: Tecia Torres finalizou Juliana Lima aos 0:53 do 2º round;
Penas: Gray Maynard venceu Teruto Ishihara por decisão unânime (triplo 30-26).

 

Bônus da Noite

Justin Gaethje: US$ 50 mil pela “Luta da Noite” e mais US$ 50 mil de “Performance da Noite”;
Michael Johnson: US$ 50 mil pela “Luta da Noite”;
Tecia Torres: US$ 50 mil de “Performance da Noite”



IBlackbelt
Categorias
LutasMMA InternacionalUFC

Pai, marido, neto, amante da família; filho de Deus; Graduando em Comunicação Social (Rádio e TV) na Universidade Federal do Maranhão; Editor chefe do Nocaute na Rede,; Redator nas seções de MMA nacional e internacional; Apaixonado por rádios, jornais, livros, podcasts, filmes, séries, comidas, esportes em geral; MMA é uma paixão absurda; Praticante de MMA e muay thai; Crítico Social
Sem Comentários

Responder

*

*

três × um =

RELACIONADO POR