Sem pausa para descanso, Werdum diz estar focado em conquistar o mundo

Fabricio Werdum luta no próximo sábado, em busca do seu almejado sonho de ser campeão do pesos pesados do UFC. Mas para isso o atual número 2 do ranking dos...

Fabricio Werdum luta no próximo sábado, em busca do seu almejado sonho de ser campeão do pesos pesados do UFC. Mas para isso o atual número 2 do ranking dos pesados do Ultimate vai precisar vencer o americano Travis Browne pela chance de disputar o título contra Cain Velasquez. Fabricio Werdum, experiente que é, enfrentou vários dos melhores lutadores da atualidade e da história do MMA mundial, e conquistou um dos feitos mais históricos do MMA, derrotando o lendário Fedor Emelianenko no Strikeforce, na época o lutador russo estava a mais de 10 anos sem perder.

20130609-esporte-ufc-tuf-fortaleza-0063-size-598

(Foto: Getty Images)

O lutador que já está na Florida para o combate contra Browne, concedeu uma entrevista exclusiva ao “Nocaute na Rede”, o lutador começa nos contando um pouco da sua história e se imaginava que ela fosse tomar essa proporção:



“Comecei no Jiu Jítsu por hobby apenas, no inicio era apenas um esporte para mim, mas depois que comecei a disputar campeonatos e participar do ADCC eu comecei a imaginar que poderia ir longe. Coloquei algumas metas na minha vida, queria ser o melhor do mundo, o melhor do meu estado, da minha cidade, fui conquistando  todas as minhas metas. Na época eu já sonhava em participar de eventos de MMA, o PRIDE foi meu primeiro sonho realizado, na época eu assistia o Wanderlei e o Minotauro participando e dizia para meus amigos que eu iria chegar lá, a maioria dava risada dizia que não chegaria lá, que era muito difícil mas a medida que eu chegava todas as pessoas viram que eu estava realmente dedicado e pronto para vencer. Hoje em dia tenho três funções dentro do UFC, sou comentarista para países de língua latina, lutador e embaixador do UFC na América Latina como Colômbia, Chile e Argentina. (Fabrício é fluente em espanhol e inglês).”

O gaúcho, natural de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, possuí uma longa carreira no Jiu jitsu, onde conquistou diversos títulos mundiais, e também foi campeão do maior campeonato de luta agarrada do mundo, Werdum venceu o ADCC por duas vezes, em 2007, em New Jersey, e em Barcelona, em 2009. Já no MMA, Werdum iniciou a carreira em 2002, e após conquistar 5 vitórias consecutivas no cenário nacional, assinou com o extinto e lendário evento japonês “Pride”. Na organização Werdum venceu 5 adversários, e perdeu apenas dois combates, Alistair Overeem foi uma de suas vítimas no evento japonês, e contra Antônio Rodrigo Minotauro, Werdum fez sua luta mais importante na organização:

“No Pride, foi um momento bem especial na minha vida, sempre sonhei em participar do evento, lutei 7 vezes nele e fico muito feliz por isso. Acho que a luta contra o Alistar Overeem, essa luta foi muito complicada pra mim, ele é um grande lutador, mesmo não gostando muito dele. A luta contra o Rodrigo Minotauro foi outra que me marcou muito, ele é meu ídolo e naquela época tinha ocorrido uma grande tragédia na minha vida, uma semana antes mataram meu professor Maurício no RJ, utilizei essa luta para homenagear ele, não digo que perdi por este motivo, mas entrei nesta luta com a missão de homenagear meu grande professor.”

Em 2007 Werdum se juntou ao plantel do UFC, mas não foi tão bem, em 4 lutas, perdeu 2 combates, derrotou Gabriel Napão e Brandon Vera, mas perdeu para Junior Cigano e Andrei Arlovski, sendo demitido da organização, mas assinando com o Strikeforce em seguida. Retomando a boa fase, Werdum derrotou Mike Kyle e Antonio Pezão, e finalizou Fedor, elevando seu nome nas artes marciais mistas a outro patamar.

[youtube=https://youtu.be/VacJtJ3k-3A]

Mas na revanche contra Alistair Overeem em seguida, o brasileiro foi derrotado, o que não abalou Werdum, que com a compra do Strikeforce pela Zuffa, voltou ao UFC. No atual maior evento de MMA do mundo, o “Vai Cavalo” embalou, massacrou Roy Nelson no UFC 143 e nocauteou Mike Russow, até ser convidado para ser um dos treinadores do TUF Brasil 2, ao lado de A. Rodrigo Minotauro. Passado o programa, e a exposição para todo o Brasil, Werdum encarou Minotauro em junho de 2013, e devolveu a derrota para a lenda, finalizando Minotauro com uma chave de braço no segundo round. Com 3 vitórias no UFC e um um cartel renomado, Fabricio Werdum conquistou a chance de lutar pelo cinturão do UFC, o lutador só não esperava que Cain Velasquez fosse se lesionar, fazendo assim com que o “Vai Cavalo” tenha que lutar contra Travis Browne no próximo sábado. Werdum nos fala sobre a sua preparação para esse combate:

“O camp foi  praticamente igual aos anteriores, trabalhando forte na Kings com o Rafael Cordeiro, fazendo de tudo lá, aquele treino combinado, a semana é muito cheia treinando todos os dias, fazendo treinos específicos de cada arte marcial, treinando diversas posições. Estou animado, já treino com o Rafael tem 7 anos e dessa vez trouxe o Rubens Charles Cobrinha, oito vezes campeão mundial na preparação física e o Jíu Jítsu, trouxe também o Kenny Johnson para o wrestling, sei que essa luta é um grande passo para a conquista do cinturão, vou entrar pronto para dar um show, quero fazer o melhor e fazer de tudo para chegar lá. Curiosidade: Um dos meus treinamentos incluiu subir dez andares de escada com um pesos presos ao meu corpo e mais umas borrachas presas a minha perna.”

Ainda falando da sua preparação, Werdum fala sobre as suas dificuldades quando fica muito tempo se treinar, e sobre quem sabe, seu próximo adversário, se bater Browne, Cain Velasquez:

“Sim, a preparação física vou manter sempre agora, o Cobrinha foi uma das melhores pessoas que já encontrei e pretendo seguir sempre, não pretendo parar de treinar após a luta contra o Travis, quero acabar a luta e já retornar aos treinos, quando paro de treinar após uma luta sinto muita dificuldade para retornar, não vou cometer esse erro, quero chegar pronto para ganhar do Cain ou de qualquer outro. O Cain vem mostrando hoje que é o melhor do mundo, ele fala pouco mas faz muito! É um grande atleta, tenho que estar 100% fisicamente e mentalmente, ele entra com uma energia absurda, vou me preparar para suportar todos os rounds que for preciso para vence-lo, o preparo físico hoje é um diferencial dos grandes atletas, quero acabar o quanto antes, todos querem finalizar ou nocautear o adversário, nem sempre dá certo mas quero estar pronto para qualquer coisa.”

Fabricio Werdum que treina na Kings MMA nos Estados Unidos com o treinador Rafael Cordeiro, durante esse camp também treinou com outras grandes estrelas do MMA mundial, como Lyoto Machida, Caio Magalhães, Glover Teixeira e Wanderlei Silva.

Werdum ao lado de Glover, Babalu, R. Cordeiro, Lyoto e C. Monstro (Foto: Reprodução Twitter)

O lutador nos fala sobre o que acha da luta entre amigos, e se toparia enfrentar algum amigo no MMA, como no caso de Lyoto Machida que enfrentou Mark Munõz no ano passado:

“Contra amigos mesmo eu nunca lutaria, como por exemplo o Wanderlei, o Babalu, o Mark Munhoz, são caras que eu treino direto, são pessoas que estão comigo 100%. Não lutaria com essas pessoas, porém contra conhecidos, pessoas que não tenho tanto contato, lutaria sim, é complicado por o UFC as vezes nos pede lutas que não queremos e sempre coloco que contra meus amigos não luto, nós somos funcionários do evento mas sempre tentamos argumentar isso. Luta entre amigos de verdade nem sempre rendem o esperado, não são lutas tão pegadas, já vi várias vezes e essas lutas não são tão grandes quanto o público espera, isso prejudica o evento e o próprio UFC. Um bom exemplo é esse (Lyoto vs Munõz), foi nítido que o Lyoto foi muito profissional porém o Mark Munhoz não conseguiu separar o pessoal do profissional, não sendo o Munhoz que todos conhecemos, sendo apático. O Lyoto é um grande lutador, não foi nem tocado pelo Mark. Esse é um dos motivos que me fazem crer que não é interessante para o UFC colocar amigos para lutar um contra o outro.”

Encerrando a entrevista, analisando a evolução do esporte através do tempo, o lutador analisa se Fedor e Royce Gracie seriam estrelas na atualidade:

“Claro! O Fedor só não esta no TOP hoje por que não quer, é um homem extremamente forte, acho que ele esta com 33 anos, ele está bem financeiramente, não luta por que não quer mesmo! O Rocye já possui mais idade, mas tem um físico incrível, acho que uma luta contra um veterano do UFC seria bem legal, ele se cuida muito tem um treino rigoroso poderia sim fazer uma grande luta. Queria muito ver um evento só com os veteranos, as lendas do UFC, seria bem legal ver isso acho que a garotada iria adorar ver esses grandes nomes lutando, sei que é complicado conseguir mas seria bem legal rolar um evento assim.”

Siga o Grupo MundoMMA no Facebook: https://on.fb.me/143Aqek

Curta Nocaute na Rede no Facebook: https://on.fb.me/18HEkvH

Sem título

Escrito por Abilio Santos e Victor Nunes / vic_nr



Categorias
EntrevistasLutasUFC

Criado em 14 de agosto de 2013, o Nocaute na Rede tem como principal objetivo FORTALECER o crescimento do esporte pelo Brasil e mundo a fora, é por isso que desde o início divulgamos os pequenos eventos e atletas que estão começando no cenário nacional.
Sem Comentários

Responder

*

*

9 − 7 =

RELACIONADO POR