TJ Dillashaw procura vencer rival e exigir sua revanche contra Dominick Cruz

Ex-campeão da categoria dos galos, TJ Dillashaw, perdeu o seu título em janeiro deste ano para o atual campeão dessa divisão
TJ Dillashaw (Foto: UFC.com)

A divisão dos galos promete estar agitada nesta sexta-feira, tudo por conta da disputa de cinturão dessa categoria entre o campeão Dominick Cruz e o desafiante Cody Garbrandt. Antes disso, uma luta que antecede o Co-Main Event do UFC 207 poderá trazer o próximo desafiante ao título, a luta entre o ex-campeão dos galos, TJ Dillashaw, contra o brasileiro John Lineker. E para Dillashaw, a vitória desta sexta-feira será suficiente para exigir sua revanche contra Dominick Cruz, que segundo ele o campeão não estaria interessado em lhe conceder esse direito.

“Eu acredito que Cruz vai tentar fazer o que puder para não lutar comigo até ele se aposentar. Ele tem tentando falar sobre querer fazer essas superlutas e lutar por dinheiro. É como se eu pensasse que se você é o melhor do mundo, mas você tenta me esquivar o máximo que puder, é porque você sabe que eu vou te bater.”

O ex lutador da Team Alpha Male é ex-campeão da categoria peso galo do UFC. Ele ocupa, atualmente, a primeira posição do ranking da divisão dos galos. Lutador de muita versatilidade, começou sua jornada no UFC ao participar do The Ultimate Fighter 14, que tinha como disputa de técnicos entre Michael Bisping e Jason Miller. Na edição do TUF, Dillashaw venceu todas as suas lutas e foi para final contra o atleta da Jackson-Wink MMA, John Dodson. Foi derrotado por nocaute técnico no primeiro round.

Apesar de sua estreia oficial no Ultimate não ser das melhores, Dillashaw se recuperou nas lutas seguintes. Com uma sequência de quatro vitórias seguidas, mesmo derrotado por decisão dividida para Raphael Assunção, que teve resultado polêmico por parte dos juízes, o ex-campeão começava a crescer na categoria e ganhar destaque na organização como possível desafiante ao título, que veio acontecer duas lutas depois dessa derrota.

Análise técnica do seu perfil de luta

T.J Dillashaw é oriundo do Wrestling, com base no Kickboxing. Muito tático, aproveita-se bem de sua movimentação para minar o oponente com socos e chutes, além de usar o Wrestling para levar o oponente ao chão e trabalhar jogo de solo. O seu trabalho de pernas (Footwork) foi comparado por muitos similar a do campeão dos galos, Dominick Cruz, este que chegou a acusar TJ de querer copiá-lo. Embora houvesse tal comparação, a forma de se movimentar de Dillashaw é bem diferente de Cruz. Enquanto o campeão tem uma forma peculiar de se deslocar, de maneira mais reta e o uso frequente de suas esquivas para encurtar, bater e sair, o ex-campeão é mais circular e evita de todo modo ficar na frente do adversário (ser alvo fixo) e faz uso na média para longa distância socos mais laterais (como os diretos) ou entrar com combinações que pode terminar com o chute alto na cabeça do adversário, que já lhe rendeu um lindo nocaute para cima de Joe Soto e que também trouxe grandes prejuízos a Renan Barão em suas duas lutas.

Por conta também dessa movimentação e de seu bom Wrestler, Dillashaw possui excelentes índices de defesas de quedas. Em suas 12 lutas no Ultimate, só foi quedado (por 4 vezes) apenas para o campeão, Dominick Cruz. O seu aproveitamento em defesa de quedas é de 87%, uma das melhores do ranking do UFC nesse ponto.

Dillashaw nocauteia Barão no UFC 173

Dillashaw entrando com seu chute alto na cabeça de Renan Barão, no UFC 173

Destronando Renan Barão e se tornando campeão dos galos

Ao vencer Mike Easton, em janeiro de 2014, TJ Dillashaw foi escalado para enfrentar o japonês Takeya Mizugaki, no UFC 173, que seria a disputa de cinturão entre o americano Chris Weidman e Lyoto Machida; no entanto, Weidman veio a sofrer uma lesão e acabou que sua luta retirada do card. Sendo assim, TJ Dillashaw foi escalado para disputar o cinturão dos galos contra o brasileiro Renan Barão, que se tornou a luta principal daquele evento.

Apontado como grande azarão para essa luta, TJ não se intimidou botando pressão desde o início, onde no minuto final do primeiro round conseguiu aplicar um incrível Knockdown no brasileiro, que quase veio a terminar ali o duelo após Dillashaw, com Renan Barão desorientado, tentar aplicar um “mata-leão”, mas não obteve a finalização e o round foi encerrado. Semi recuperado, o brasileiro sequer teve chance nos outros rounds. TJ foi perfeito em toda a luta e no último round, quando Barão partiu para o tudo ou nada, no contragolpe, o brasileiro foi ao chão mais uma vez e acabou sendo interrompida a luta pelo árbitro central e, assim, TJ Dillashaw conquistaria ali o cinturão dos pesos galos do UFC.

No UFC 177, defendeu seu cinturão contra estreante da noite no UFC, Joe Soto, já que Renan Barão, que teve direito a revanche imediata, passou mal no corte de peso e teve que ser retirado da luta. Dillashaw venceu por nocaute no quinto round com um chute na cabeça.

Após um ano da conquista do cinturão, enfrentou novamente o brasileiro Renan Barão. Apesar do primeiro duelo entre eles não aparentar deixar dúvidas da conquista do americano em conquistar o título, o segundo embate foi quase um replay do primeiro, vindo a vencer no quarto round por nocaute técnico.

Dillashaw prova que sua primeira vitória sobre Barão não foi por acaso e mostra ser um legítimo campeão.(Foto:Divulgação/UFC)

Dillashaw prova que sua primeira vitória sobre Barão não foi por acaso e mostra ser um legítimo campeão.(Foto:Divulgação/UFC)

No dia 17 de janeiro de 2016, após vários anos enfrentando lesões, Dominick Cruz retorna ao UFC e foi escalado para enfrentar Dillashaw para disputa de título. Após um confronto de intensa movimentação de ambos e show de qualidade técnica, TJ Dillashaw é derrota na decisão dividida dos juízes, tendo que entregar o cinturão ao “ex-campeão” dos galos Dominick Cruz.

Em sua última luta, fez a revanche contra o brasileiro Raphael Assunção, onde, desta vez, o derrotou por decisão unânime dos juízes. Neste sábado, enfrentará outro brasileiro, o 2° colocado no ranking da divisão, John Lineker, onde tentará quebrar uma sequência de seis vitórias seguidas do brasileiro e, assim, buscar sua tão esperada revanche, que não aconteceu após perde seu título para Dominick Cruz.

 

UFC 207

30 de dezembro, T-Mobile Arena, Las Vegas, Nevada – EUA.

Lutas deste card:

Peso Galo Feminino: Amanda Nunes x Ronda Rousey (Disputa de Cinturão)

Peso Galo: Dominick Cruz x Cody Garbrandt (Disputa de Cinturão)

Peso Galo: TJ Dillashaw x John Lineker

Peso Meio-Médio: Johny Hendricks x Neil Magny

Peso Meio-Médio: Dong Hyun Kim x Tarec Saffiedine

Peso Meio-Médio: Mike Pyle x Alex Garcia

Peso Mosca: Louis Smolka x Ray Borg

Peso Médio: Antonio Carlos Jr. x Marvin Vettori

Peso Meio-Médio: Brandon Thatch x Niko Price

Peso Meio-Médio: Alex Olivera x Tim Means

*Fabrício “Vai Cavalo” Werdum era esperado para lutar neste card contra Cain Velasquez, porém este se lesionou e por questões internas não teve adversário substituto definido.

* Jéssica “Bate Estaca” Andrade era esperada para lutar neste card, mas por conta de lutadoras não aceitarem esse desafio, ela teve que ser retirada do card.



Categorias
LutasUFC
Sem Comentários

Responder

*

*

3 × 3 =

RELACIONADO POR