Vicente Luque: ‘’O assassino silencioso’’ está fazendo barulho no UFC

''The Silent Assassin'' é uma das maiores promessas do MMA nacional
Vicente Luque agradece aos céus por mais uma vitória (Foto: Divulgação/UFC)

Vicente Luque vive ótima fase na carreira. Com nocautes e finalizações espetaculares, caminha rumo ao topo da categoria peso meio-médio do UFC.

Em entrevista exclusiva ao nocaute na rede, o lutador falou sobre a carreira, sua próxima luta e a expectativa para o futuro.



Dia 17 de fevereiro, Vicente tem encontro marcado com o americano Bryan Barberena no card principal do UFC on ESPN 1. Ele tentará emplacar sua 4° vitória consecutiva na maior organização de MMA do mundo.

O lutador, radicado em Brasília, está  empolgado para o combate e acredita que o estilo agressivo do americano o favorece:

‘’Acho que o estilo agressivo dele casa bem comigo. Eu sou um cara que busca o nocaute ou a finalização sempre, então, quando eu luto contra caras agressivos assim, eu acabo encontrando melhor a minha distância e encaixando bons golpes.’’

Vicente, que começou sua história na organização através do reality show ‘’The Ultimate Fighter’’, parece levar ao pé da letra a frase que costuma decorar a entrada do vestiário dos atletas: ‘’Never leave it in the hands of the judges’’ [Nunca deixe o resultado nas mãos dos juízes].

O vestiário do Reality Show do UFC – The Ultimate Fighter (Foto: Divulgação/UFC)

Até agora, todas as suas vitórias no UFC foram por nocaute ou finalização. Com um estilo versátil e sempre lutando pra frente, ele vem ganhando cada vez mais fãs e notoriedade no mundo do MMA.

‘’Parte do meu estilo é justamente esse. Busco sempre ser técnico, sempre entro na luta de maneira inteligente, tento não me expor. Mas uma coisa que eu sempre tive dentro de mim é realmente ir pra lá e buscar o nocaute, buscar a finalização, dar um show para o público. Eu gosto de lutar para animar a galera. Se hoje eu posso trabalhar com isso, é graças aos fãs, então minha maneira de retribuir é poder entrar lá e dar um grande show pra todo mundo.’’

Sobre o ‘’The Ultimate Fighter’’, Vicente afirma que, apesar de ‘’não ter sido fácil’’, foi ‘’uma experiência válida e muito intensa.’’

Vicente Luque em ação durante sua participação no The Ultimate Fighter (Foto: Divulgação/UFC)

‘’É uma experiência diferente. Acho que é muito válida para qualquer lutador.  Ficar 24 horas ali com os caras que depois você vai acabar lutando é complicado, mas, ao mesmo tempo, você tem um crescimento muito grande. Também tem o lado de mídia, lá tem câmera o tempo todo te filmando, você faz entrevista, você faz fotos. Tudo isso também te ajuda a lidar com o que o UFC vai trazer, todo esse lado que antes eu não tinha tanta noção e consegui desenvolver bastante.’’

‘’É como o BBB, mas o paredão é dentro do octógono,’’ brinca o meio-médio do UFC.

Ná época que participou do reality show do UFC,  Vicente Luque já tinha uma certa experiência apesar da idade. Apaixonado por lutas e, principalmente, por competir, o lutador fez sua estréia no MMA com apenas 17 anos.

‘’Foi engraçado, porque a minha mãe teve que autorizar. Como eu era menor de idade, ela teve que assinar um termo de responsabilidade,’’ relembra o casca-grossa.

Nessa época, alguns eventos nacionais ainda utilizavam as regras do antigo ‘’vale-tudo’’ e o profissionalismo ficava em segundo plano. Mesmo assim, Vicente não se intimidou em nenhum momento e iniciou a carreira da melhor maneira possível: nocauteando.

Vicente Luque comemora mais uma vitória (Foto: Divulgação/UFC)

‘’Eu sempre gostei muito de luta, então eu me senti  animado. Consegui o nocaute técnico no primeiro round. Essa minha primeira luta foi nas regras do vale-tudo, então valia pisão, era nas regras antigas mesmo. Foi uma luta muito legal. Eu que levei a minha luva,’’ recorda.

‘’Eu tinha uns 80 kg na época e meu adversário tinha mais de 90 kg. No dia da pesagem, meu adversário não foi. Só no dia da luta que eu encontrei com ele, mas estava valendo. Nós lutamos e eu consegui sair com a vitória.’’

Desde o início, o lutador nascido nos Estados Unidos, de mãe brasileira e pai chileno, não teve dúvidas de qual bandeira representaria durante sua carreira no MMA.

Vicente Luque posa com a bandeira do Brasil (Foto: Divulgação/UFC)

‘’Eu vim para o Brasil com 6 anos de idade e cresci aqui. Apesar de ter família no Chile e nos Estados Unidos, a minha história é no Brasil, aqui que eu cresci e que me tornei um adulto. Foi aqui que comecei a minha história no MMA, então não sei como eu poderia representar outro país que não o Brasil dentro do octógono.’’

Poucas pessoas sabem, mas foi no cenário nacional que Vicente conseguiu uma das maiores vitórias de sua carreira. Em 2012, ele nocauteou Thiago ‘’Marreta’’. Na época, o atual n° 6 dos meio-pesados do UFC lutava no peso meio-médio e estava invicto na carreira.

‘’Eu sempre brinco e digo que ainda bem que foi lá atrás, quando ele lutava na categoria até 77 kg, porque hoje o cara está um monstro e deve estar batendo pesado.’’

‘’Marreta’’ já era um grande nome no cenário nacional e Vicente ainda estava buscando o seu espaço no mundo do MMA.

Vicente comemora o nocaute sobre Thiago ‘’Marreta’’ no Spartan MMA 2012 (Foto: Marlon Henrique)

‘’Ele estava invicto e eu senti que seria uma boa luta pra mim. Conseguir uma vitória sobre ele seria um fator que, com certeza, seria um diferencial na minha carreira. Lutamos lá no Maranhão e foi uma luta rápida. Nos primeiros 30 segundos, ele veio pra cima com alguns golpes, eu consegui me esquivar e contra-ataquei com um cruzado que acabou entrando, ele sentiu o golpe, caiu e o juíz interrompeu. Foi uma luta que foi um diferencial na minha carreira.’’

Para seguir vencendo grandes nomes e conquistar o tão sonhado cinturão do UFC, Vicente sabe que terá muito trabalho pela frente. Por isso, o lutador segue focado nos treinos em Brasília, onde fez os camps para suas últimas lutas.

Vicente e seus parceiros de treino na Cerrado MMA (Foto: Vicente Luque)

‘’Eu tenho feito meu camp para as últimas lutas todo em Brasília. Eu sinto que aqui consigo ter uma preparação física específica pra mim. Tenho um plano nutricional, trabalho psicológico, fisioterapia e os treinos de luta muito bem alinhados e desenvolvidos especificamente para a minha luta.’’

Além de treinar na capital federal, sempre que pode, Vicente vai para Flórida treinar com alguns dos melhores lutadores do mundo.

‘’Eu gosto de ir lá pra Flórida pegar um treino diferente, fazer sparring com uma galera diferente, porque eu acho que, se a gente fica no mesmo lugar, acaba entrando  numa zona de conforto. Lá eu tenho o Kamaru, o Gilbert ‘’durinho’’, toda essa galera que tenho uma afinidade muito grande.’’

Companheiro de treino de Kamaru Usman, próximo desafiante ao cinturão dos meio-médios, Vicente Luque não esconde a admiração e a torcida pelo amigo.

Vicente Luque em um momento de descontração com os parceiros de treino Kamaru Usman e Diego Rivas (Foto: Vicente Luque)

‘’Eu acredito que ele vai se tornar o novo campeão da categoria. Eu realmente acho que ele vive um momento melhor e está em uma crescente muito grande. A intensidade física e o wrestling dele são coisas que realmente, na minha categoria, eu só vi nele. Treinando com ele, dá pra sentir a força que o cara tem. É lógico que o Tyron tem se mostrado dominante , mas eu acho que o Kamarus tem o segredo para vencê-lo.’’

Enquanto sua chance para lutar pelo cinturão não chega, Vicente trabalha duro para ter uma oportunidade contra os tops da categoria. O lutador acredita que está preparado para maiores desafios e já projeta seus próximos passos em caso de vitória contra Bryan Barberena.

‘’Até o dia da luta, eu vou ter um nome em mente, alguém que não esteja com luta marcada. Vou pensar nisso pra poder, vencendo a luta ali, desafiar o cara. Me sinto preparado pra lutar contra qualquer um. Venho mostrando isso nas minhas lutas, venho evoluindo muito. Estou pronto para lutar contra qualquer cara ranqueado, já venho falando isso há um tempo.’’

Vicente Luque (Foto: Divulgação/UFC)

Aos 27 anos, Vicente sabe que o tempo está a seu favor e que, se continuar repetindo as atuações recentes, inevitavelmente, sua hora vai chegar.

‘’Estou trabalhando pra ser campeão dessa categoria. Acredito que vou ser e vou continuar trabalhando para isso. Seja em 30 ou em 2 lutas, o caminho não importa, o objetivo final para mim é o alvo. Sei que vou chegar lá!

Dia 17 de Fevereiro, no UFC on ESPN 1, o lutador terá mais uma oportunidade de  mostrar porque é um dos melhores do mundo. No que depender dele, os fãs serão presenteados com mais um show.

Vicente Luque faz reverência à torcida após nocautear Jalin Turner no UFC 229 (Foto: Divulgação/UFC)

‘’Podem esperar mais um lutão como sempre. O Barberena é um cara duríssimo, que vem pra cima o tempo todo. Eu também gosto de sempre buscar a finalização ou o nocaute, então vai ser uma luta cheia de ação e, se Deus quiser, vou trazer mais uma vitória para o Brasil.’’



Categorias
EntrevistasLutasMMAMMA InternacionalUFC

Advogado, carioca e tricolor. Apaixonado pelo esporte que mais cresce no mundo. Editor chefe do Coliseu Carioca e redator do Nocaute na Rede.Contato: [email protected]
    Sem Comentários

    Responder

    *

    *

    14 + doze =

    RELACIONADO POR