ESPECIAL UFC 208: O que esperar de Dustin Poirier x Jim Miller

Combate é um dos candidatos a luta da noite no UFC 208

 

Dustin Poirier x Jim Miller está confirmado para o UFC 208.

Dustin Poirier chega ao card do ufc 208 com coisas a provar. O americano, nativo de lafayette e produto da american top team vinha enfileirando boas atuações no peso leve até encontrar Michael Johnson no UFC Hidalgo. A derrota por nocaute em menos de um round em seu segundo evento principal dentro do ultimate jogou pela ladeira um trabalho de anos feito por Dustin. Ser de fato um protagonista, honrar o nome de guerra que carrega. Dustin ”The Diamond” Poirier é um atleta que vai bem em todas as áreas do jogo, tem mãos velozes e pesadas, utiliza bem dos ”teeps”, chute frontal no corpo do oponente oriundo do muay thai usado com o intuito de rechaçar o  adversário em ataque, ou distrai-lo visando uma posterior combinação de socos, geralmente um jab com a mão direita seguido de um direto de esquerda. Eventualmente termina a sequência com um uppercut de direita, ou utiliza desta para entrar em takedown. Tem alto nível de wrestling, é capaz de derrubar e segurar seus oponentes no chão pressionando-os com o ground and pound. Caso não seja de seu interesse, utiliza do wrestling e da força física para praticar isometria na grade, além de eventuais cotoveladas e joelhadas no plexo solar dos adversários. Uma vez no chão, progride bem as posições, chegando com facilidade a montada e assim utiliza de triângulos de mão, arm-locks ou até mesmo o triângulo montado para fazer seus oponentes baterem em desistência.

Entretanto, Poirier possui falhas em sua defesa de golpes. Eventualmente, se protege de maneira desleixada, deixando o queixo exposto para bons boxers aproveitarem a oportunidade, como quando enfrentou Cub Swanson e teve problemas com o handfight deste. O handfight acontece quando um canhoto enfrenta um destro e as mãos da frente, que começam as combinações, ficam alinhadas, batalhando por uma melhor posição para iniciar a combinação. Dustin nunca controla a mão da frente do seu adversário, o que soma-se ao fato de seus constantes avanços em linha reta caçando o adversário, resulta em cruzados de esquerda por cima do jab . Seus problemas defensivos se tornam ainda mais visíveis contra adversários canhotos, caso de Jim Miller, que o enfrenta no UFC 208. Contra eles, Dustin encontra dificuldades para impor seu jab, tomando counters por cima do golpe que desferiu, ou protege mal a lateral da cabeça, com a mão direita baixa, colocando-se em perigo contra bons strikers. Destarte a isso, Jim Miller não é um lutador conhecido exatamente pelo seu jogo de mãos, e sim pela habilidade de mesclar tudo com o jiu jitsu. Entretanto, sente-se atraído pela troca de golpes. Suas combinações são simples e seus chutes praticamente inexistem, obrigando jim a entrar no raio de ação de Poirier para boxear. Tal situação fática e a combinação de habilidades não deve levar grandes problemas para Poirier.

Assim como Poirier, Jim Miller também tem algo a provar nesse evento. Vêm embalado por duas vitórias após uma sequência oscilante na carreira, fato que quer provar ter deixado no passado. É um especialista no jogo de chão. Guilhotinas, mata leões, triângulos e chaves de braço fazem parte do arsenal que também é simplório, mas
eficiente. Na trocação, o jogo de Miller é baseado principalmente no boxe, somado a algumas aleatórias joelhadas. Como dito anteriormente, seus chutes inexistem, o que torna a imposição de uma queda ou de combinações de golpes um pouco mais complicada. A parte técnica é até regular, as mãos tem velocidade e peso. O ponto fraco é o seu takedown defense, somado ao tanque de gás. A defesa de quedas não chega a ser exatamente uma pedra no caminho de jim, uma vez que ele apresenta desenvoltura e se garante jogando como guardeiro. Já o preparo físico é realmente algo a se preocupar, podendo inclusive fazer a luta acabar se decidindo em favor de Poirier, visto que o mesmo puxa as ações o tempo inteiro, sempre caminhando em frente. Junto ao clinch na grade, esse é o principal motivo que pode fazer Jim Miller cansar e esmorecer.

Palpite: Temos um duelo de atletas completos e com coração, que provavelmente tem tudo para ser eleita como uma das lutas da noite. Entretanto, a luta começa em pé, e aponta este que vos fala que Dustin Poirier, que leva vantagem no striking game, tem todas as ferramentas para manter a peleja na área em questão para assim conseguir a vitória. É bem preparado fisicamente e mais forte que o adversário também, devendo prestar atenção no peso e na velocidade das mãos de jim miller para não ser surpreendido. Uma vez atento, a potência de seus golpes e a pressão constante que impõe nos adversários deve ser suficiente para trazer Dustin Poirier ao caminho dos vencedores.



Categorias
LutasUFC
Sem Comentários

Responder

*

*

5 × cinco =

RELACIONADO POR